Foto do artista A286

Retaliando Falsos Ídolos

A286


O mastro não ostenta bandeira branca
E meu lado emotivo é devoto a amor ao próximo
Mas o ódio é recíproco
Vocês pediram, então toma
Avisa os cuzão e os bico que os filha da puta tá de volta

Apartidário, acorreligionário, arreligioso
Olho por olho na guerra de todos contra todos
É pedir demais né? Indulgência a falso oportunista
Se nem minhas filhas pega boi no meu senso de justiça

Sucessor da eloquência subversiva, ativista
Meus versos ainda ostentam o drama das crise empíricas
Educação proibida, funcional
A destreza oculta, maestria, fruto do caos

Sem partido e patrocínio de porra nenhuma
Herança aculturado o paradoxo da ignorância
Salvo pelos livros, em tributo aos nossos falecidos
A afronta, vão ter que conviver com meu sorriso

Contrariei o estrategista pós abolição
Com os cu com ar de superior em choque, perante a expressão
Avisa pra esses cuzão preparar a cova, o açoite enfiar no rabo
Que hoje eles terão um cadáver e não um escravo!

É fogo retaliatório, processo de resiliência
Sem bondade aos ingratos, odeio quem me odeia
Por que não odiar meus inimigos? Ora
Se meu amor nunca teve espaço em sua misericórdia

É a voz dos corpos esquecidos no cemitério dos vivos
Subversivo, alusivo a lágrima dos desvalidos
Em nome dos filhos, em tributo aos nossos falecidos
A286 retaliando falsos ídolos

É a voz dos corpos esquecidos no cemitério dos vivos
Subversivo, alusivo a lágrima dos desvalidos
Em nome dos filhos, em tributo aos nossos falecidos
A286 retaliando falsos ídolos

Cansado de ver os meus como eu, cego
Vítima de bala perdida em meio tiroteio de ego
No comércio de picuinha
Morrer pela causa que vocês tanto prega, mas só vive em teoria

O bagulho é selva e eu sei que o instinto é competitivo
Mas fazem questão de expor o pobre e preto ao mais ridículo
Vocês tão confuso e confundindo os moleque tudo
Nunca que buceta e bunda vão ser símbolo da luta

Foi sangue grosso no chão, a carne viva, feio
Fratura exposta de membros por linchamento
Se não for pra ser feito Strange Fruit, renuncio o cargo
Dispenso a honra dos clássicos pra morrer no anonimato

Aqui bondade pagam com maldade, infelizmente
Protagonizam o que combatem publicamente
A maior parte dos santos é fraude
E não raras vezes o discurso coletivo é de singular interesse

É a pequena morte das grandes massas, vai vendo
Onde fazer o bem não me priva do ódio alheio
O fim justifica os meios, normal
Quem não mais espera compaixão do próximo, não teme o mal

Quando os dez mandamentos se limita às escrituras
São nicotina e cafeína que faz a civilização
Vocês extinguem amor próprio e exige respeito recíproco?
A286, retaliando falsos ídolos

É a voz dos corpos esquecidos no cemitério dos vivos
Subversivo, alusivo a lágrima dos desvalidos
Em nome dos filhos, em tributo aos nossos falecidos
A286 retaliando falsos ídolos

É a voz dos corpos esquecidos no cemitério dos vivos
Subversivo, alusivo a lágrima dos desvalidos
Em nome dos filhos, em tributo aos nossos falecidos
A286 retaliando falsos ídolos

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir