La Bala

El martillo impacta la aguja
La explosión de la pólvora con fuerza empuja
Movimiento de rotación y traslación
Sale la bala arrojada fuera del cañón
Con un objetivo directo
La bala pasea segura y firme durante su trayecto
Hiriendo de muerte al viento, más rápida que el tiempo
Defendiendo cualquier argumento
No le importa si su destino es violento
Va tranquila, la bala, no tiene sentimientos
Como un secreto que no quieres escuchar
La bala va diciéndolo todo sin hablar
Sin levantar sospecha, asegura su matanza
Por eso tiene llena de plomo su panza
Para llegar a su presa no necesita ojos
Y más cuando el camino se lo traza un infrarojo
La bala nunca se da por vencida
Si no mata hoy, por lo menos deja una herida
Luego de su salida no habrá detenida
Obedece a su patrono solo una vez en su vida

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

Se escucha un disparo, agarra confianza
El sonido la persigue, pero no la alcanza
La bala sacas sus colmillos de acero
Y sin pedir permiso, entra por el cuero
Muerde los tejidos con rabia y arranca,
El pecho a las arterias para causar hemorragia
Vuela la sangre batida de fresa
Salsa boloñesa, syrup de frambuesa
Una cascada de arte contemporaneo
Color rojo vivo, sale por el cráneo

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

Seria inaccesible el que alguien te mate
Si cada bala costara lo que cuesta un yate
Tendrías que ahorrar todo tu salario
Para ser un mercenarío, habría que ser millonario
Perto no es así, se mata por montones
Las balas son igual de baratas que los condones
Hay poca educación, hay muchos cartuchos
Cuando se lee poco, se dipara mucho
Hay quienes asesinan y no dan la cara
El rico da la orden y el pobre la dispara
No se necesitan balas para probar un punto
Es lógico, no se puede hablar con un difunto
El diálogo destruye cualquier situación macabra
Antes de usar balas, diparo con palabras
Pla! Pla! Pla! pla!

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

Hay poco dinero, pero hay muchas balas
Hay poca comida, pero hay muchas balas
Hay poco gente buena, por eso hay muchas balas
Cuidao' que ahí viene una (Pla! Pla! Pla! Pla!)

A Bala

O martelo bate na agulha
A explosão da pólvora empurra com força
Movimento de rotação e translação
Sai a bala pra fora do canhão
Com um objetivo direto
A bala passeia segura e firme por seu trajeto
Ferindo mortalmente o vento mais rápida que o tempo
Defendendo qualquer argumento
Não importa pra ela se seu destino é violento
Vai tranquila, a bala não tem sentimentos
Como um segredo que você não quer escutar
A bala vai dizendo tudo sem falar
Sem levantar suspeita assegura sua matança
Por isso tem sua pança cheia de chumbo
Pra chegar na sua presa não precisa de olhos
E mais quando o caminho se traça num infravermelho
A bala nunca se dá por vencida
Se não mata hoje, deixa pelo menos uma ferida
E depois da sua saída, não sera detida
Obedece seu patrão só uma vez na vida

Há pouco dinheiro, mas há muitas balas
Há pouca comida, mas há muitas balas
Existe pouca gente boa, por isso existe muitas balas
Cuidado que aí vem uma! (Pa! pa! pa! pa!)

Há pouco dinheiro, mas há muitas balas
Há pouca comida, mas há muitas balas
Existe pouca gente boa, por isso existe muitas balas
Cuidado que aí vem uma! (Pa! pa! pa! pa!)

Se escuta um disparo, seja confiante
O som a persegue mas não a alcança
A bala arranca seus dentes de aço
E sem pedir permissão adentra o couro
Morde os tecidos com raiva
Arranca as artérias dos peitos pra causar hemorragia
Voa sangue, batida de morango
Molho de bolonhesa, xarope de framboesa
Uma cascata de arte contemporânea
Vermelho vivo sai pelo crânio

Há pouco dinheiro, mas há muitas balas
Há pouca comida, mas há muitas balas
Há pouca gente boa, por isso há tantas balas
Cuidado que aí vem uma! (Pa! pa! pa! pa!)

Há pouco dinheiro, mas há muitas balas
Há pouca comida, mas há muitas balas
Há pouca gente boa, por isso há tantas balas
Cuidado que aí vem uma!

Seria inacessível alguém que te mate
Se cada bala custasse o preço de um iate
Terias que usar todo seu salário
Para ser um mercenário, teria que ser milionário
Mas não é assim, se mata aos montes
As balas são tão baratas quanto camisinhas
Há pouca educação, há muitos cartuchos
Quando se lê pouco se dispara muito
Há quem assassinam e não dão a cara
O rico dá a ordem e o pobre a dispara
Não são necessárias balas para provar algo
É logico que não se pode falar com um defunto
O diálogo destrói qualquer situação macabra
Antes de usar balas, disparo com palavras
(Pa! pa! pa! pa!)

Há pouco dinheiro, há muitas balas
Há pouca comida mas ha muitas balas
Há pouca gente boa, por isso existe tantas balas
Cuidado que aí vem uma!! Pa! pa! pa! pa!

Há pouco dinheiro, há muitas balas
Há pouca comida mas ha muitas balas
Há pouca gente boa, por isso existe tantas balas
Cuidado que aí vem uma!! Pa! pa! pa! pa!

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Eduardo Cabra / Rafael Rafa Arcaute / René Pérez · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Debora, Traduzida por yuander
Viu algum erro na tradução? Envie sua correção.