tradução automática via Revisar tradução

La Violeta

Con el codo en la mesa mugrienta
Y la vista clavada en un sueo,
Piensa el tano Domingo Polenta
En el drama de su inmigracin.

Y en la sucia cantina que canta
La nostalgia del viejo paese
Desafina su ronca garganta
Ya curtida de vino carlon.

E...! La Violeta, la va, la va, la va...
La va sul campo che lei si sognaba
Ch'era su gigin, que guardandola staba...
El tambin busca su soado bien
Desde aquel dia, tan lejano ya,
Que con su carga de ilusin saliera.

Como La Violeta que la va...la va...
Canzoneta de pago lejano
Que idealiza la sucia taberna
Y que brilla en los ojos del tano
Con la perla de algun lagrimon.

La aprendio cuando vino con otros
Encerrado en la panza de un buque,
Y es con ella, metiendo batuque,
Que consuela su desilusin.

La Violeta (Tradução)

Com o cotovelo sobre a mesa suja
E olhando para um sonho,
Será que o metano domingo Polenta
No drama de sua inmigracin.

E no bar cantando suja
A nostalgia dos velhos paese
Sua melodia rouca garganta
Carlon vinho já bronzeada.

E. ..! La Violeta, vai, vai, vai ...
O campo é che lei sul se Sogna
Ch'era seu Gigino, que manteve Staba ...
O bem também para a sua soad
Desde aquele dia, tanto quanto,
Com sua ilusão fora de carga.

Como Violeta que vai ... vai ...
Longe de pagamento Canzoneta
Que idealiza a taberna suja
E que brilha nos olhos de metano
Com a pérola de algumas lágrimas.

O aprendeu quando ele veio com outros
Bloqueado na barriga de um navio,
E, com ela, colocando tambores,
O que consola sua desilusão.

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Enviar