onde estão os caras que lutavam dia-a-dia sem perder a ternura jamais?
onde estão os caras que desmaterializavam moedas de dez mil reais?
onde estão os caras que desconheciam limites ... universal e singular?
onde estão os caras que desenhavam novas cidades
em guardanapos na mesa de um bar?

onde estão as provas, onde estão os fatos?
as boas novas eram só boatos?
onde estão os atos de bravura e rebeldia (ternura guerreada dia-a-dia)?
será que estamos sós?

onde estão os caras que pregavam no deserto?
onde estão os caras que deixavam as portas abertas para a vida poder circular?
onde está o teatro mágico só para iniciados?
onde está o espaço não privatizado?
onde estão os caras que acenavam com a mão invisível um mercado para todos nós?

onde estão as provas, onde estão os fatos?
as boas novas eram só boatos?
onde estão os caras que lutavam e cantavam?
(por um mundo ideal eles gritavam : não estamos sós! )

onde estão os caras que diziam que a guerra ia acabar?
onde estão os caras que diziam que a maré ia virar?
onde estão os caras que espalharam o vírus, prometeram a cura e viraram as costas?
onde está o outro ? onde está o diferente? onde está o comum a toda gente?

onde estão as provas, onde estão os fatos?
as boas novas eram só boatos?
onde estão as provas, onde estão os fatos?

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir