De Sua Formosura

Chico Buarque

exibições 8.442

De sua formosura
deixai-me que diga:
é belo como o coqueiro
que vence a areia marinha.
Belo como a última onda
que o fim do mar sempre adia.
É tão belo como um sim
numa sala negativa.

De sua formosura
deixai-me que diga:
é tão belo como um sim
numa sala negativa.
Belo porque é uma porta
abrindo-se em mais saídas.
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia.*

De sua formosura
deixai-me que diga:
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *
Como qualquer coisa nova
inaugurando o seu dia.
Ou como o caderno novo
quando a gente o principia.

De sua formosura
deixai-me que diga:
é belo como o coqueiro
que vence a areia marinha.
Belo como a última onda
que o fim do mar sempre adia.
É tão belo como um sim
numa sala negativa.

Belo porque é uma porta
abrindo-se em mais saídas.
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *

De sua formosura
deixai-me que diga:
Belo como a coisa nova
na prateleira [até então] vazia. *
Como qualquer coisa nova
inaugurando o seu dia.
Ou como o caderno novo
quando a gente o principia.

* No poema "Morte e vida severina" de João Cabral de Melo Neto consta "(...) Belo como coisa nova/ na prateleira até então vazia". Na música, Chico Buarque adapta o verso para "(...) Belo como coisa nova/ na prateleira vazia".

Add a playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Joao Cabral de Melo Neto · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por L
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.