Foto do artista Destroyer 666

Tyranny Of The Inevitable

Destroyer 666


Tyranny Of The Inevitable

I remember just last night
We drunk and we fucked whores
And I remember some prayed to their gods
For they knew that tomorrow we marched into Hell
"Death you have followed me, followed me all these years
Kept the noose about my neck and prayed upon my fears"
Then came the flames

A man of the cloth came to pray for me
Telling me tales of salvation
To curse my death with morality
And tell his lies of redemption
But our spirit dies in mothers tears
And in our brothers heart
And maybe women will tell tales of our lust
As we fall into blood and dust
Who'll stand at the edge of my grave
Who'll weather the storm
Who'll stand at the edge of my grave
Who'll weather this storm

I stand alone
I stand alone
Death is a curse that has followed me
Death is a curse that has followed me…

The tyranny of the inevitable
Stands upon us like the cross on our graves
A curse of the living on death
Not something to fear but transgress
For whom the bell tolls indeed
The bells toll for me
Then came the flames

Now I've come to see it's not real
In a world where beliefs are diseased
Now I see clearly the sky above
And I can't see your God and your alone
For whom the bells toll indeed
The bells toll for me

For whom the bells toll indeed
The bells toll for me

Tirania do Inevitável

Eu me lembro de ontem a noite
Bebemos e transamos com prostitutas
E lembro que alguns rezaram aos seus Deuses
Pois sabiam que pela manhã marcharíamos ao inferno
"Morte, tu tem me seguido, seguido por todos esses anos
Manteve o nó no meu pescoço e rezou sobe meus medos "
Então vieram as chamas

Um homem usando batina veio orar por mim
Me contando contos de salvação
Para amaldiçoar minha morte com moralidade
E me dizer suas mentiras de redenção
Mas nosso espirito morre nas lagrimas de nossas mães
E no coração de nossos irmãos
E talvez as mulheres conte contos de nossa luxuria
Enquanto viramos sangue e poeira
Quem vai ficar na beira do meu tumulo
Quem vai superar a tempestade?
Quem vai ficar na beira do meu tumulo
Quem vai superar essa tempestade?

Eu me mantenho sozinho
Eu me mantenho sozinho
Morte é uma maldição que tem me seguido
Morte é uma maldição que tem me seguido

A tiraria do inevitável
Se opõe sobre nós como cruzes em nossos túmulos
Uma maldição dos vivos sobe a morte
Nada a temer e sim transgredir
Por quem os sinos tocam
Os sinos tocam por mim
Então vieram as chamas

Agora vejo que isso não é real
Num mundo onde as crenças são enfermidades
Agora vejo com clareza o céu acima
E não vejo seu Deus e você está sozinho
Por quem os sinos tocam realmente
Os sinos tocam por mim

Por quem os sinos tocam realmente
Os sinos tocam por mim

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir