Se Piovesse Il Tuo Nome

Elisa


Se Piovesse Il Tuo Nome

Non ci siamo mai dedicati
Dedicati le, le canzoni giuste
Forse perché di noi non ne parla mai nessuno
Non ci siamo mai detti le parole
Non ci siamo mai detti le parole giuste
Neanche per sbaglio
Neanche per sbaglio in silenzio

La città è piena di fontane
Ma non sparisce mai la sete
Sarà la distrazione
Sarà, sarà, sarà
Che ho sempre il Sahara in bocca
La città è piena di negozi
Ma poi chiudono sempre
E rimango solo io
A dare il resto al mondo

Se in mezzo alle strade
O nella confusione
Piovesse il tuo nome, io
Una lettera per volta vorrei bere
In mezzo a mille persone
Stazione dopo stazione, se
Non scendo a quella giusta è colpa tua

Non ci siamo mai visti per davvero, e
Non ci siamo mai presi per davvero in giro
Neanche per sbaglio
Neanche per sbaglio in silenzio
La città incontra il tuo deserto
Che io innaffio da sempre
Sarà la mia missione
Sarà, sarà, sarà
Che ora ho un fiore nella bocca

Se in mezzo alle strade
O nella confusione
Piovesse il tuo nome, io
Una lettera per volta vorrei bere
In mezzo a mille persone
Stazione dopo stazione, se
Se non scendo a quella giusta è colpa mia

Ma senza te, chi sono io?
Un mucchio di spese impilate
Un libro in francese che poi non lo so
Neanche, neanche bene, io
Se devi andare pago io
Scusa se penso a voce alta
Scusa se penso a voce alta

Se in mezzo alle strade
O nella confusione
Piovesse il tuo nome, io
Una lettera per volta vorrei bere
In mezzo a mille persone
Stazione dopo stazione, se
Se non scendo a quella giusta è colpa

Se Chovesse Seu Nome

Nós nunca mais dedicamos
Dedicamos a eles, as músicas certas
Talvez porque ninguém fala sobre nós
Nós nunca dissemos as palavras
Nós nunca dissemos as palavras certas
Nem por engano
Nem por engano em silêncio

A cidade está cheia de fontes
Mas a sede nunca desaparece
Será a distração
Será, será, será
Que eu sempre tenho o Saara na minha boca
A cidade está cheia de lojas
Mas então eles sempre fecham
E eu continuo sozinho
Para dar o resto ao mundo

Se nas ruas
Ou na confusão
Chovesse seu nome, eu
Gostaria de beber uma letra de cada vez
No meio de mil pessoas
Estação após estação, se
Eu não desço para a direita é sua culpa

Nós nunca realmente nos vimos, e
Nós nunca andamos por aí
Nem por engano
Nem por engano em silêncio
A cidade encontra seu deserto
Que eu sempre reguei
Será minha missão
Será, será, será
Que horas eu tenho uma flor na minha boca

Se nas ruas
Ou na confusão
Chovesse seu nome, eu
Gostaria de beber uma letra de cada vez
No meio de mil pessoas
Estação após estação, se
Se eu não descer para a direita, é minha culpa

Mas sem você, quem sou eu?
Uma pilha de despesas empilhadas
Um livro em francês que eu não conheço
Nem eu, tampouco
Se você tem que ir me pagar
Desculpe se eu penso em voz alta
Desculpe se eu penso em voz alta

Se nas ruas
Ou na confusão
Chovesse seu nome, eu
Gostaria de beber uma letra de cada vez
No meio de mil pessoas
Estação após estação, se
Se eu não descer para a direita, é minha culpa

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Edoardo D'erme. Essa informação está errada? Nos avise.
Enviada por Lidiamara e traduzida por Natalie. Legendado por Roberta. Revisão por Natalie. Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais posts