Rebirth

Oh bright sun of the night
I lift my eyes up to thee
Oh ye amber golden light
Let the dark sweep over me
Mighty cauldron, oh nidus
I surrender all to thee
Panacean nothingness
When nothing is left

These dreadful shades
Dancing in my dwindling sight
And crying out these hollow words
A straying soul in my scorching flesh
Dying down amid this fucking blaze

My swooning world
Infested by strident cries
In a worship of the void
All vanishing in a
Dull and distant noise

Oh bright sun of the night
I lift my eyes up to thee
Oh ye amber golden light
Let the dark sweep over me
Mighty cauldron, oh nidus
I surrender all to thee
Panacean nothingness
When nothing is left

This is my rebirth

As one with pain and with distress
Sweet surrender in serenity
Will I remember this womb at all?
Will I ever know?

Oh bright sun of the night
I lift my eyes up to thee
Oh ye amber golden light
Let the dark sweep over me
Mighty cauldron, oh nidus
I surrender all to thee
Panacean nothingness
When nothing is left

I am not here
I do not last
I am the grain in the earth
I am the wave in the deep
I am the softly whispered word
In the murmuring autumn breeze

In front of Antumnos' gate
I beheld the mirror in the lake
Recognize I did not
Nor did I comprehend

Oh bright sun of the night
I lift my eyes up to thee
Oh ye amber golden light
Let the dark sweep over me
Mighty cauldron, oh nidus
I surrender all to thee
Panacean nothingness
When nothing is left

This was my rebirth

Renascimento

Oh brilhante sol da noite
Eu levantei meus olhos para ti
Oh, luz dourada do âmbar
Deixe a escuridão varrer-me
Poderoso caldeirão, oh origem
Eu me rendo completamente a ti
Panaceia insignificante
Quando nada sobra

Essa terrível sombra
Dançando em minha visão desvanecente
E gritando essa palavras vazias
Uma alma errante na minha carne escaldante
Morrendo em meio a esse maldita chama

Meu mundo em síncope
Infestada por gritos estridentes
Em uma adoração ao vazio
Todos desaparecendo em um
Ruído estranho e distante

Oh brilhante sol da noite
Eu levantei meus olhos para ti
Oh, luz dourada do âmbar
Deixe a escuridão varrer-me
Poderoso caldeirão, oh origem
Eu me rendo completamente a ti
Panaceia insignificante
Quando nada sobra

Esse é meu renascimento

Como um com dor e com angústia
Rendição doce na serenidade
Ao menos lembrar-me-ei desse útero?
Irei ao menos sabê-lo?

Oh brilhante sol da noite
Eu levantei meus olhos para ti
Oh, luz dourada do âmbar
Deixe a escuridão varrer-me
Poderoso caldeirão, oh origem
Eu me rendo completamente a ti
Panaceia insignificante
Quando nada sobra

Eu não estou aqui
Eu não permanecerei
Eu sou o grão na terra
Eu sou a onda na profundeza
Eu sou a palavra suavemente sussurrada
Na murmurante brisa do outono

Em frente ao portão de Antumnos
Contemplo o espelho no lago
Reconheço que não fiz
Nem compreendi

Oh brilhante sol da noite
Eu levantei meus olhos para ti
Oh, luz dourada do âmbar
Deixe a escuridão varrer-me
Poderoso caldeirão, oh origem
Eu me rendo completamente a ti
Panaceia insignificante
Quando nada sobra

Esse foi meu renascimento

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir