The Priest They Called Him

Nirvana


The Priest They Called Him

"Fight tuberculosis, folks." Christmas Eve, an old
junkie selling Christmas seals on North Park Street.
The "Priest," they called him. "Fight tuberculosis, folks."
People hurried by, gray shadows on a distant wall.
It was getting late and no money to score.
He turned into a side street and the lake wind hit him like a knife.
Cab stop just ahead under a streetlight.
Boy got out with a suitcase. Thin kid in prep school clothes,
familiar face, the Priest told himself, watching from the doorway.
"Remindsme of something a long time ago." The boy, there, with his overcoat unbuttoned, reaching into his pants pocket for the cab fare.
The cab drove away and turned the corner. The boy went inside
a building. "Hmm, yes, maybe" - the suitcase was there in the doorway.
The boy nowhere in sight. Gone to get the keys, most likely,
have to move fast. He picked up the suitcase and started for the corner.
Made it. Glanced down at the case. It didn't look like the case the boy had,or any boy would have. The Priest couldn't put his finger on what was so old about the case. Old and dirty, poor quality leather, and heavy.Better see what's inside. He turned into Lincoln Park, found an
empty place and opened the case. Two severed human legs that belonged to
a young man with dark skin. Shiny black leg hairs glittered in the
dim streetlight. The legs had been forced into the case and he had to use his knee on the back of the case to shove them out. "Legs, yet,"
he said, and walked quickly away with the case.
Might bring a few dollars to score.

The buyer sniffed suspiciously.
"Kind of a funny smell about it." "It's just Mexican leather."
"Well, some joker didn't cure it."
The buyer looked at the case with cold disfavor.
"Not even right sure he killed it, whatever it is.
Three is the best I can do and it hurts. But since this is Christmas
and you're the Priest..." he slipped three bills under the table into the Priest's dirty hand. The Priest faded into the street shadows, seedy
and furtive. Three cents didn't buy a bag, nothing less than a nickel.
Say, remember that old Addie croaker told me not to come back unless
I paid him the three cents I owe him. Yeah, isn't that a fruit for ya,
blow your stack about three lousy cents.

The doctor was not pleased to see him.
"Now, what do you WANT? I TOLD you!"
The Priest laid three bills on the table. The doctor put the
money in his pocket and started to scream.
"I've had TROUBLES! PEOPLE have been around!
I may lose my LICENSE!" The Priest just sat there, eyes, old and heavy with years of junk, on the doctor's face.
"I can't write you a prescription." The doctor jerked open a drawer
and slid an ampule across the table. "That's all I have in the OFFICE!"
The doctor stood up. "Take it and GET OUT!" he screamed, hysterical.
The Priest's expression did not change.
The doctor added in quieter tones, "After all, I'm a professional man,
and I shouldn't be bothered by people like you."
"Is that all you have for me? One lousy quarter G? Couldn't you lend
me a nickel...?" "Get out, get out, I'll call the police I tell you."
"All right, doctor, I'm going."

Of course it was cold and far to walk,
rooming house, a shabby street, room on the top floor.
"These stairs," coughed the Priest there, pulling himself up along the
bannister. He went into the bathroom, yellow wall panels,
toilet dripping, and got his works from under the washbasin.
Wrapped in brown paper, back to his room, get every drop in the dropper.
He rolled up his sleeve. Then he heard a groan from next door,
room eighteen. The Mexican kid lived there, the Priest had passed him on
the stairs and saw the kid was hooked, but he never spoke, because he
didn't want any juvenile connections, bad news in any language.
The Priest had had enough bad news in his life.
He heard the groan again, a groan he could feel, no mistaking that groan
and what it meant. "Maybe he had an accident or something.
In any case, I can't enjoy my priestly medications with that sound coming
through the wall." Thin walls you understand. The Priest put down his
dropper, cold hall, and knocked on the door of room eighteen.

"Quien es?" "It's the Preist, kid, I live next door."
He could hear someone hobbling across the floor.
A bolt slid. The boy stood there in his underwear shorts, eyes black with pain. He started to fall. The Priest helped him over to the bed.
"What's wrong, son?" "It's my legs, senor, cramps, and now I am without
medicine." The Priest could see the cramps, like knots of wood there
in the young legs, dark shiny black leg hairs.
"A few years ago I damaged myself in a bicycle race,
it was then that the cramps started." And now he has the leg cramps back
with compound junk interest. The old Priest stood there, feeling the boy
groan. He inclined his head as if in prayer, went back and got his dropper.
"It's just a quarter G, kid." "I do not require much, senor."

The boy was sleeping when the Priest left room eighteen.
He went back to his room and sat down on the bed.
Then it hit him like heavy silent snow. All the gray junk yesterdays.
He sat there received the immaculate fix. And since he was himself a priest,
there was no need to call one.

O Padre Como Eles Chamavam

"Luta contra a Tuberculose, pessoal." Véspera de Natal, um velho
Viciado em vender selos de Natal no North Park Street.
O "padre", que o chamou. "Luta contra a Tuberculose, pessoal."
Pessoas apressadas por, sombras cinzentas em uma parede distante.
Foi a receber dinheiro atrasado e não marcar.
Ele se virou para uma rua lateral do lago e o vento bateu-lhe como uma faca.
O táxi parou logo à frente em um poste.
Menino saia com a mala. O garoto com roupas escola preparatória,
Rosto familiar, o sacerdote disse a si mesmo, observando da porta.
"Me lembra de algo há muito tempo." O menino, ali, com seu casaco desabotoado, enfiando a mão no bolso da calça para pagar o táxi.
O táxi foi embora e virou a esquina. O menino entrou
Num edifício. "Hmm, sim, talvez" - a mala estava lá na porta.
O menino nada em vista. Foi para pegar as chaves, muito provavelmente,
Tem que se mover rapidamente. Ele pegou a mala e partiu para o canto.
Feito isso. Olhou para uma caixa. Ela não se parecia com a caixa que o menino tinha, ou qualquer garoto teria. O padre não poderia colocar o dedo sobre o que era tão velho sobre a caixa. Velha e suja, o couro de baixa qualidade, e pesado. Melhor ver o que está dentro. Ela se transformou em Lincoln Park, encontrou um
Lugar vazio e abriu a caixa. Duas pernas decepada humanos que pertenciam a
Um jovem de pele escura. Perna e cabelos negros brilhavam ao
Escurecer da rua. As pernas tinham sido forçadas a entrar na caixa e ele teve que usar o joelho na parte de trás da caixa para empurrá-los para fora. "Pernas, ainda,"
Ele disse, e caminhou rapidamente para longe com a caixa.
Pode trazer alguns dólares para marcar.

O comprador cheirou desconfiada.
"Uma espécie de cheiro engraçado sobre isso." "É apenas o couro do México."
"Bem, algum palhaço não cura-o."
O comprador olhou para o caso de desaprovação frio.
"Nem mesmo com certeza absoluta de que ele matou, seja ele quem for.
Três é o melhor que posso fazer e isso dói. Mas como é Natal
E você é o padre ... "ele caiu três notas abaixo da tabela nas mãos sujas do sacerdote. O padre desapareceu nas sombras da rua, indigente
E furtivos. Três centavos não comprar um saco, nada menos que um níquel.
Diga, lembre-se que corvina Addie velho me disse para não voltar a menos
Paguei-lhe os três centavos que lhe devo. Sim, não é um fruto para você,
Explodir sua pilha de cerca de três centavos péssimo.

O médico não teve o prazer de vê-lo.
"Agora, o que você quer? Eu te disse!"
O padre previstas três projetos de lei sobre a mesa. O médico colocou o
Dinheiro no bolso e começou a gritar.
"Eu tive problemas! Pessoas foram ao redor!
Eu posso perder a minha licença! "O padre ficou lá sentado, os olhos, velho e pesado, com anos de lixo, no rosto do médico.
"Eu não posso escrever-lhe uma receita." O médico apontou abrir uma gaveta
E deslizou uma ampola sobre a mesa. "Isso é tudo que eu tenho no escritório!"
O médico levantou-se. "Tomai-o e sair!" gritou ele, histérico.
A expressão do padre não se alterou.
O médico acrescentou em tom mais silenciosos, "Afinal, eu sou um homem profissional,
E não devo ser incomodado por pessoas como você. "
"Será que tudo que você tem para mim? Um quarto péssimo G? Você não poderia emprestar
Me um níquel ...?" "Saia, saia, eu vou chamar a polícia, eu te digo."
"Tudo bem, doutor, eu vou."

Claro que era frio e distante para caminhar,
Cômodos da casa, uma rua miserável, sala no piso superior.
"Estas escadas", o padre tossiu lá, puxando-se ao longo do
Bannister. Ele entrou no banheiro, painéis de parede amarelo,
Banheiro pingando, e tem suas obras sob o lavatório.
Embrulhado em papel pardo, de volta para seu quarto, pegue cada gota do conta-gotas.
Ele arregaçou as mangas. Então ouviu um gemido no quarto ao lado,
Sala de dezoito anos. O garoto mexicano viveu lá, o padre passou-lhe em
As escadas e viu o garoto era viciado, mas ele nunca falou, porque ele
Não queria que todas as conexões juvenil, má notícia em qualquer idioma.
O padre tinha tido bastante más notícias na sua vida.
Ele ouviu o gemido de novo, um gemido, ele podia sentir, não há dúvida que gemem
Eo que isso significava. "Talvez ele tivesse um acidente ou algo assim.
Em qualquer caso, não posso gozar a minha medicação sacerdotal com o som que vem
Através da parede. "paredes finas que você entenda. O sacerdote largou a
Conta-gotas, sala de frio, e bateu na porta da sala de dezoito anos.

"Quien es?" "É o garoto Padre, eu moro na casa ao lado."
Ele podia ouvir alguém mancando pelo chão.
Um raio caiu. O menino estava ali, em shorts cueca, olhos negros com a dor. Ele começou a cair. O padre o ajudou até a cama.
"O que está errado, meu filho?" "É minhas pernas, meu senhor, cólicas e agora estou sem
Medicina. "O Sacerdote podia ver as cólicas, como nós da madeira não
Nas pernas jovem, cabelos escuros, pretos brilhantes, nas pernas.
"Alguns anos atrás eu me danificada em uma corrida de bicicleta,
Foi então que os grampos começaram. "E agora ele tem a cãibras nas pernas de volta
Com juros compostos de lixo. O velho sacerdote estava lá, sentindo o menino
Gemido. Ele inclinou a cabeça como se estivesse em oração, fui para trás e começou sua conta-gotas.
"É apenas uma criança G, o bairro". "Eu não exigem muito, senhor."

O rapaz estava dormindo quando o sacerdote deixou dezoito quarto.
Ele voltou para seu quarto e se sentou na cama.
Em seguida, ele bateu-lhe como a neve em silêncio pesado. Todos os ontens cinza lixo.
Sentou-se lá recebeu a correção impecável. E desde que ele próprio era um sacerdote,
Não houve necessidade de chamar um.

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais posts