exibições 11

Cuando Te Pones Falda

Sinkope


Cuando Te Pones Falda

No sangra el viento
Aun durmiendo entre rosales
Ni aunque se enrede en nubes
De alambre de espino
No sangra el viento
Por más que lluevan cristales
No sangra el viento
Ni clavándole cuchillos

No sangra el viento
Porque juegue en un zarzal
No sangra el viento
Cuando se cae al vacío
Ni al meterse en líos
De navajas enfadás'
Ni al pincharse con juncos
Cuando bebe en el río

El viento solo sangra
Cuando llevas tu pelo recogío'
Cuando no te pones falda
Cuando ya barrunta el frío
Y se acabó rozar tu espalda
Y se acabó rozar tu ombligo

Entonces el viento sangra
Sangra por sus ojillos
Tiene alergia a la manga larga
Y el invierno ha aparecío'

Y tú no sales de casa
Y el viento muerto de frío
Y tú no sales de casa
Y el viento muerto de frío

Tú te arropas con mantas
Y él sopla con más brío
En la puerta de tu casa
Están sangrando ojillos

No sangra el viento
Aunque le arañen los gatos
Ni al sentarse un rato
En el lomo de un erizo

Ni al bailar desnudo
Cuando pescan los albatros
Ni al caminar descalzo
Por abrojosos caminos

No sangrará
Aunque se corte las venas
No sangrará
Porque se abrace a chumberas

No sangrará
Por más que coja carrera
Ni se estrelle de frente
Otra vez contra tu puerta

El viento solo sangra
Cuando llevas tu pelo recogío'
Cuando no te pones falda
Cuando ya barrunta el frío
Y se acabó rozar tu espalda
Se acabó rozar tu ombligo

Entonces el viento sangra
Sangra por sus ojillos
Tiene alergia a la manga larga
Y el invierno ha aparecío'

Y tú no sales de casa
Y el viento muerto de frío
Y tú no sales de casa
Y el viento muerto de frío

Tú te arropas con mantas
Y él sopla con más brío
En la puerta de tu casa
Están sangrando ojillos

Quando você usa uma saia

O vento não sangra
Ainda dormindo entre roseiras
Nem mesmo se ficar emaranhado nas nuvens
Arame farpado
O vento não sangra
Não importa a quantidade de chuvas de cristais
O vento não sangra
Nem furando facas

O vento não sangra
Porque eu joguei em um arbusto
O vento não sangra
Quando cai no vazio
Não quando estiver em apuros
De navalhas furiosas '
Nem quando picado com juncos
Quando ele bebe no rio

O vento só sangra
Quando você põe seu cabelo eu pego '
Quando você não usa saia
Quando você já sente o frio
E chega de esfregar suas costas
E está sobre o seu umbigo

Então o vento sangra
Sangra de seus olhinhos
Tem alergia a mangas compridas
E o inverno apareceu '

E voce nao sai de casa
E o vento morreu de frio
E voce nao sai de casa
E o vento morreu de frio

Você se envolve com cobertores
E ele sopra mais forte
Na porta de sua casa
Eles estão sangrando olhinhos

O vento não sangra
Mesmo que os gatos o arranhem
Nem mesmo sentado por um tempo
Nas costas de um ouriço

Nem ao dançar pelado
Quando albatrozes pescam
Nem ao andar descalço
Em estradas acidentadas

Não vai sangrar
Mesmo se eu cortar minhas veias
Não vai sangrar
Porque abraça peras espinhosas

Não vai sangrar
Não importa o quanto ele faça carreira
Não bata de frente
De novo contra sua porta

O vento só sangra
Quando você põe seu cabelo eu pego '
Quando você não usa saia
Quando você já sente o frio
E chega de esfregar suas costas
Chega de tocar seu umbigo

Então o vento sangra
Sangra de seus olhinhos
Tem alergia a mangas compridas
E o inverno apareceu '

E voce nao sai de casa
E o vento morreu de frio
E voce nao sai de casa
E o vento morreu de frio

Você se envolve com cobertores
E ele sopra mais forte
Na porta de sua casa
Eles estão sangrando olhinhos

tradução automática via Revisar tradução
Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Enviar

Posts relacionados

Ver mais no Blog