Dissertação do Papa Sobre o Crime Seguida de Orgia

Titãs

exibições 22.817

O assassinato é uma paixão como o jogo, o
vinho, os rapazes e as mulheres, e jamais
corrigida se a ela nos acostumarmos.
O crime é venerado e posto em uso por toda a
terra. De um pólo o outro se imolam vidas
humanas.
Quase todos os selvagens da América matam os
velhos se os encontram doentes. É uma obra de
caridade por parte do filhos.
Em Madagascar, todas as crianças nascidas às terças,
quintas e sextas feiras são abandonadas
aos animais ferozes.
Constantino, imperador tão severo e querido dos
cristãos, assassinou o cunhado, os sobrinhos, a
mulher e o filho.
Nos mares do Sul, existe uma ilha em que as
mulheres são mortas como criaturas inúteis ao
mundo quando ultrapassam a idade de procriar.
Em Capo Di Monte, se uma mulher dá a luz a
duas crianças gêmeas o marido logo esmaga
uma delas.
Quando Gengis Khan se apoderou da China
mandou degolar à sua frente dois milhões de
crianças.
Os Quóias furam as costas das vítimas a
pancadas de azagaia, em seguida cortam o
corpo em quartos e obrigam a mulher do morto
a come-lo.
Os Hurôes penduram um cadáver por cima do
paciente, de maneira a que possa receber na
cara toda a imundice que escorre do corpo
morto, atormentando assim o desgraçado até
que ele expire.
Os Irlandeses esmagavam as vítimas.
Os Noruegueses perfuravam-Ihes o crânio.
Os Gauleses partiam-lhes a bacia.
Os Celtas enfiavam-lhes um sabre no esterno.
Apuleio fala do tormento de uma mulher cujo
pormenor é bem agradável, coseram-na com a
cabeça de fora, dentro da barriga de um burro
ao qual tinham sido arrancadas as entranhas.
Deste modo foi exposta aos animais ferozes.

Add a playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir