Quantas vezes eu tentei te merecer?
Quantas vezes eu tentei me considerar digno?
Quantas vezes eu pensei até parecer
Mas no que eu fui só me iludi
Por que não dá pra ser digno
Tu és santo do que eu possa entender
Tu és mais justo e íntegro do que eu possa suportar
És mais benigno do que eu possa conceber
Tua grandeza, tua glória suga todo meu ar
Tentei me justificar, ser mais justo, ser mais santo
Mas sem sair do lugar
Não sei porque mais eu achei que iria conseguir
Fui na busca de alcançar pela minha própria força
E toda gota de esforço que eu consegui reunir
Me levou sozinho, direitinho, diretinho pra forca
Inconsciente e faminto, sedento e fracassado
Todo perdido, estruprado pelo pecado
Sem esperança em mim
Sem ter o que vestir
Sem ter como esconder o pecado vivo aqui dentro de mim
Fui pensar e vi, entendi que no fundo, no fundo, meu coração não funciona
Fui pensar que ele é inútil pra mim, me traiu e me levou pra lama
Enfim... A lei cumpriu o seu papel e me levou ao fracasso
Mas me deixou tonto e Tua graça reuniu os meus pedaços

Graça, Jesus, Graça, a Sua Graça
Foi na Graça que eu fui remido da minha desgraça
E não vou deixar que o condenado, desgraçado do diabo, suje a beleza da Graça da qual eu fui lavado
Graça, Jesus, Graça, Graça Tua
Mesmo que eu caia ela continua
Levantarei da outra vez que eu cair
Vou confiar no perdão garantido lá na cruz pra mim
Garantido lá na cruz pra mim...

E essa graça ninguém vai sujar de graxa
De culpa, nem sujar com graxa de falta de perdão
E essa graça ninguém vai sujar com graxa de dúvida
Nem com falta de fé na crucificação
Não, não, não
Não vou sujar ela com lei nem com minha própria justiça
Essa fede (hmmm) é trapo de imundícia
Não importa mais nada eu vou sempre crer
No seu perdão, na sua graça, na graça do Seu poder
Nem a vida irmão, nem a morte não
Nem anjos, nem demônios, nem diabos de conversões de principados, nem doutrinas de lugar nenhum
É na graça que eu vou firmar
Não tem conversa
Eu já contei um, já contei dois, já contei três
Já contei até demais pra entender o que o meu Jesus fez
Me perdoou, já foi, está consumado
Perdoou geral, bateu letal na cara do pecado
É Jesus Cristo na cruz dependurado
Sou eu grato, na graça totalmente mergulhado

Graça, Jesus, Graça...

Nem a profundidade do mar, nem a altura do ar
Nem o fundo do poço que o pecado possa me levar
Não adianta foi pela Graça que eu fui salvo desde o começo
Tá gravado, dessa verdade eu nunca mais me esqueço
Não tem lei por mais bonita e nem justa que pareça
Que me tire dessa Graça que tirou minha tristeza
Não há lei que eu vá seguir, além da lei da fé
É a Graça meu irmão: já era, já era
Perdoou os meus pecados, e os futuros disfarçados
Me fez novo, me deu esperança, e hoje eu sou perdoado
Me encheu do Espírito
Pra que eu possa batalhar
Batalha das mentes, dos anjos, das potestades do ar
Mente de Cristo, a Vida de Cristo, o sofrimento de Cristo
Sua cruz, sua ressurreição
Me amou por inteiro, hoje é meu parceiro
Com o seu sangue vermelho
Apagou a minha transgressão
Sua última frase tá gravada bem aqui na minha mente: - Está consumado!
Traduzindo: PAGO COMPLETAMENTE!
Já foi rapaz!

Graça, Jesus, Graça...

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir