A mim me basta a geografia dos bastos
Contraponteando com os pastos no garrão deste universo
A mim me basta um violão encordoado,
Num ponteio debochado, pra um paleteio de versos

A mim me basta a liberdade do andejo
Nos caminhos que falquejo, na minha sina de andar
A mim me basta uma fronteira sem "permiso"
Que não tenha o compromisso nem obrigação de voltar

Mostremos valor, constância!
Pois não existe distância entre a casa e o galpão
Porque a bombacha e a bota que eu uso
Não me permite o abuso aqueles de pé no chão

A mim me basta o meu Rio Grande garroneiro
Nesta sina de fronteiro de brasileiras proezas
Terçando ferro e nazarenas cantadeiras
Na catedral das mangueiras em campeiras sutilezas

A mim me basta que o ser seja humano
Eis que muito soberano vira a cara à Pátria chão
Que o meu Rio Grande tenha cheiro de mangueira
E a bandeira brasileira vista as cores da nação

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Cristiano Vieira / Lauri Lopes · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Ana
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.