Que Voy a Hacer Conmigo

Ricardo Arjona

exibições 93.688

Que Voy a Hacer Conmigo

Ahora que no estás, "hogar" lo escribo sin "h"
Y la palabra "amor" la cambié por "dolor"
Es tan pobre mi presente que se endeuda soñando
Y es tan rico el pasado que aún sigo recordando
Ahora que no estás, estoy abandonado
Como un bote de bronceador en casa de esquimales
Mi horóscopo dice: "son problemas astrales..."
Y la tristeza está en casa abriendo sucursales
Y nuestro cuarto es almacén de recuerdos
Y nuestra mesa es aeropuerto de moscas
Y nuestra cama es un inmenso desierto
Con la vida y la energía de un muerto

¿Qué voy a hacer conmigo?
Que difícil es cargar con mi peor enemigo a cuesta
Viviendo de preguntas donde no hay respuestas
¿Qué voy a hacer conmigo?
Solidario, corruptor de mis momentos placidos
Canalla, inventor de mis tragedias épicas
¿Qué voy a hacer conmigo ahora que no estás?
Ahora que no estás, el silencio es un ruido
Que lastima lentamente mis oídos
Me dio por serte fiel aunque te importe poco
Y hay algo de tu piel en todo lo que toco
Y nuestro cuarto es almacén de recuerdos
Y nuestra mesa es aeropuerto de moscas
Y nuestra cama es un inmenso desierto
Con la vida y la energía de un muerto
¿Que voy hacer conmigo?
Que difícil es cargar con mi peor enemigo a cuestas
Viviendo de preguntas donde no hay respuestas
¿Qué voy a hacer conmigo?
Solidario, corruptor de mis momentos placidos
Canalla, inventor de mis tragedias épicas
¿Que voy hacer conmigo ahora que no estás?

Eu Vou Fazer Para Me

Agora que você não está, "casa" escrevê-lo sem "c"
E a palavra "amor" mudou pela "dor"
Ele é tão pobre minha mente que toma emprestado sonhando
E o passado é tão rico que ainda manter lembrando-se
Agora que você não está, eu estou à esquerda
Como uma casa de barco bronzer esquimós
Meu horóscopo diz: "são problemas astrais"
E a tristeza é a abertura de filiais em casa
E o nosso quarto é armazém de memórias
E moscas do aeroporto de nossa mesa
E o nosso leito é um imenso deserto
Com a vida e energia de um morto

O que eu vou fazer comigo?
Quão difícil é carregar o meu pior inimigo de custos
Vivendo em questões onde não há respostas
O que eu vou fazer comigo?
Solidariedade, corruptor dos meus momentos plácido
Canalha, inventor das minhas tragédias épicas
O que eu vou fazer comigo agora que você não está?
Agora que você não está, o silêncio é um ruído
O que prejudica lentamente meus ouvidos
Eu tenho que ser verdadeiro mesmo se você se importa pouco
E há um pouco de pele em tudo que eu toco
E o nosso quarto é armazém de memórias
E moscas do aeroporto de nossa mesa
E o nosso leito é um imenso deserto
Com a vida e energia de um morto
O que eu vou fazer comigo?
Quão difícil é carregar o meu pior inimigo no reboque
Vivendo em questões onde não há respostas
O que eu vou fazer comigo?
Solidariedade, corruptor dos meus momentos plácido
Canalha, inventor das minhas tragédias épicas
O que eu vou fazer comigo agora que você não está?

Composição: Marco Flores / Ricardo Arjona · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Alessandra, Traduzida por paulo
Viu algum erro na tradução? Envie sua correção.