Confesso que quero minha vida-poesia
Minhas rédeas soltas
E menos uma estatística
Na minha vã filosofia

E peço para todos os místicos
Uma sentença
Para o meu desconforto

Às vezes esqueço que
o lado esquerdo é o do coração
Me desculpe mas deixei cair os dados
E espero que minha fé não seja em vão

Perdi meus documentos
E penso num disco voador
Na minha sacada
E deixei minhas crenças na mesa

E se o vinho manchou a toalha
Espero que o futuro
Não passe deste infortuito
E que a vida fique por medida

No infinito dos dias
das frações do tempo
Divididas de mão em mão

Deixo minhas palavras ou meu
Silêncio para a próxima música
tão eterna quanto este instante

E os meus olhos se calam
Nesses setembros de promessa
Eu tenho a pressa
Deste mar

Como um pescador
Que perdeu os seus peixes
A minha rede
Fica no ar

E a gravidade
Desprende meus pés do chão
E as minhas verdades
Caem nos versos desta canção

E não importa se é mais um clichê
E a trama da novela
Me deixa
como um barco sem vela

Refrão:

E os acordes distorcidos
Arranham os meus ouvidos
E cada passo dos meus dedos
Tangem no meu coração
E os meus sentidos
Caem no bojo
Desta lagoa


E no porto das lágrimas
Pela madrugada
O vinho manchava a toalha
Na sombra das estrelas

As palavras erradas
Viravam a maré da minha canção
De alma lavada
As cinzas ficavam pela estrada

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Arnildo Dutra De Miranda Jr / Mayara Floss. Essa informação está errada? Nos avise.

Posts relacionados

Ver mais posts