Visão, além dos olhos muita visão
Visão, além dos olhos muita visão
Visão, além dos olhos muita visão

Eles não entendem como nós fomos criados
Que é diferente nosso certo e errado
Onde viam verde nós víamos vermelho
A noite eles sonham, nós nem dormimos, isso é um pesadelo
Se vê nós surfando, eles querem fazer a piscina
Se vê nós lucrando, eles querem fazer a chacina
Desperdiça água, desperdiça comida
Vem me crucificar se eu desperdiçar uma linha
Cês tão esperando minha versão branca chegar
Tomar o meu lugar, falar no meu lugar
Fala qual é o meu lugar, meu lugar de falar
Minha histórica pra cá, fala aqueles criaram isso
(Ingresso?) é eu não poder bancar

Nós somos punch UFC, eles franco KFC
Vem pra rua e reclamou que o bagulho é doido
Nunca vi alguém que treina boxe reclamar que levou soco (filha da puta)
Libera as armas que eu compro uma pra cada amigo
Foi só pra isso que eu fiquei rico
Sei que falar sobre a violência nos consome
Mas nascemos com alvo no sobrenome
Vejo irmãos arrebentados querendo ser arrebatados
As bênçãos só aparecem pros nariz arrebitados
Nos chamam de pecadores fazendo arminhas com a mão
Na igreja, a fé era algo grande, só sobrou duas letras
Deus, os que acreditam são os últimos
Olhe pra tia, não pagou as contas, mas pagou os dízimos
Eles tiraram a firma, trocaram a firma
Botaram esse mito que vomita
Depois vão querer tirar a própria vida

(Visão além do alcance)
(Visão)
(Visão além do alcance)
(Visão)
(Visão além do alcance)
(Visão)

Os deuses me abençoaram, eles me deram a visão
Os deuses me amaldiçoaram, eles me deram a visão
Os deuses, hoje eu sou a salvação, a destruição
Na baixa ou na alta eu não posso sentir a pressão

Eu tenho o mapa para encontrar os problemas
E tô procurando o caminho de resolvê-los
É uma corda bamba na beira do abismo
Não trema, do outro lado o triunfo, posso vê-los
Eu te olho no olho, é o mesmo sentimento
Que esse mundo é tão pequeno
Entre a melhoria e o veneno
Eu tenho que ser correria e não posso sair correndo
Daqui te oferecem a água benta depois tenta te afogar nela
Vão falar pra tu se acalmar, respirar, depois de fecharem todas as janelas

Eu represento aqui os negros
Os descendentes dos africanos, construtores deste país
Temos sido julgados por quase 500 anos por uma justiça branca
Por uma justiça racista
Nós não aceitamos entrar pelas portas dos fundos
Num país que os nossos antepassados construíram
Nós estamos numa guerra
Uma guerra que não fomos nós quem a deflagrou
Uma guerra que não foi declarada por nós
Mas pela classe dirigente desse país
Pelas elites brancas que têm esfoliado
Não somente os descendentes africanos
Mas todo este povo brasileiro

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais no Blog