Análise e significado de Another Brick In The Wall, do Pink Floyd

Analisando letras · Por Lorena Camilo

10 de Outubro de 2019, às 20:00

Tem músicas que marcam gerações para sempre. Esse é o caso de Another Brick In The Wall, do quarteto Pink Floyd. A música foi lançada em 1979, no disco The Wall, e é, até hoje, um hino do rock progressivo. E não é para menos: a letra fala sobre temáticas bastante importantes, como sistema educacional, ideologia, autoritarismo e sociedade.

Capa do álbum The Wall da banda Pink Floyd
Capa do álbum The Wall / Créditos: Divulgação

Apesar do sucesso, você sabia que tem gente que conhece apenas uma parte da música? Sim, uma das três partes. Essa canção é uma trilogia que compõe diferentes faixas do álbum. E é sobre cada uma delas que vamos falar no post de hoje. 😉

Significado de Another Brick In The Wall

Para entender a letra de Another Brick In The Wall, é preciso saber o conceito do décimo terceiro álbum da banda, The Wall, que tem dois discos com 13 faixas cada.

O conceito do álbum gira em torno de todas as músicas, que, juntas, constroem uma narrativa, como se fosse uma odisseia. E, para entender a história, é preciso saber um pouco mais sobre a vida do letrista Roger Waters. Isto porque as canções são sobre o personagem Pink, que tem sua história baseada em acontecimentos da vida de Waters.

Roger Waters
Créditos: Divulgação

Waters perdeu seu pai durante a Segunda Guerra Mundial, e este acontecimento super influenciou suas composições e suas apresentações. O cantor é um pacifista, ou seja, declara abertamente sua oposição à guerras, além de sempre se posicionar a favor dos direitos humanos.

Show de Roger Waters
Show de Roger Waters em Dublin / Créditos: Divulgação

A odisseia do álbum conta sobre os altos e baixos da vida de Pink, como por exemplo:

  • Seu pai faleceu servindo ao exército;
  • Na escola, sofreu bullying e abuso por parte de seus colegas e professores;
  • Tinha uma mãe superprotetora;
  • Quando cresceu, se casou e se divorciou.

Todos estes acontecimentos fizeram com que Pink quisesse se isolar da sociedade, aparecendo, nesse contexto, em forma de metáfora: a tal parede de tijolos

O mesmo aconteceu com Roger Waters, que estava bastante frustrado com sua vida durante a turnê In The Flesh, em 1977, quando o álbum começou a ser pensado.

Pronto! Agora que você já sabe o que há por trás do álbum e da vida de Waters, bora analisar cada parte da música! 😊 

Parte I – Memórias

Another Brick In The Wall é uma música que tem um instrumental crescente, e isso corresponde ao que está sendo contado na narrativa. Dá play pra conferir:

O personagem Pink está deixando de ser criança e sente falta de um certo alguém em sua vida. Essa pessoa é revelada no primeiro verso da letra de Another Brick In The Wall I:

Daddy’s flown across the ocean (Papai voou pelo oceano)
Leaving just a memory (Deixando apenas uma memória)
A snapshot in the family album (Uma foto no álbum da família)
Daddy, what else did you leave for me? (Papai, o que mais você deixou para mim?)
Daddy, what’d’ja leave behind for me? (Papai, o que você deixou para trás para mim?)
All in all, it was just a brick in the wall (No final, era só um tijolo no muro)
All in all, it was all just bricks in the wall (No final, eram apenas tijolos no muro)

A música começa contando que o pai de Pink serviu ao exército e faleceu. O personagem era tão novo quando isso aconteceu que não tem lembranças do pai, apenas o registro de uma foto no álbum da família. 

Já no primeiro verso, é citado o tal tijolo, que é mencionado nas três partes da música. Tijolo é uma metáfora para os traumas, as tristezas e os acontecimentos ruins que rondam a vida de Pink.

Parte II – Revolta contra o autoritarismo

Seguindo a ideia de narrativa, antes de começar Another Brick In The Wall II temos uma parte da faixa The Happiest Days Of Our Lives. Ouve só:

O instrumental é bem simples, até porque o foco é narrar o autoritarismo dos professores. A letra mostra que, por trás de um oprimido, há sempre um opressor. 

You! Yes, you! Stand still, laddie! (Você! Sim, você! Parado aí, rapazinho!)
When we grew up and went to school, there were certain teachers (Quando crescemos e fomos para a escola, havia certos professores)
Who would hurt the children any way they could (Que machucavam as crianças de todas as formas que podiam)
By pouring their derision upon anything we did (Ao derramar seu escárnio sobre qualquer coisa que fizéssemos)
Exposing every weakness however carefully hidden by the kids (E expor todas as fraquezas, por mais que as crianças as escondessem cuidadosamente)
But in the town it was well known, when they got home at night (Mas, na cidade, todo mundo sabia que, quando chegavam em casa à noite)
Their fat and psychopathic wives would thrash them within inches of their lives (Suas esposas gordas e psicopatas esmigalhavam cada pedacinho da vida deles)

Depois dessa introdução, vem Another Brick In The Wall II. Há quem conheça apenas essa parte da música: ela é tão famosa que tem um clipe repleto de significado. 

A banda reuniu crianças da Islington Green School, uma escola que ficava próximo ao estúdio Britannia Row, para declamarem a icônica frase da canção. Escuta só:

Nessa parte da música, Pink passa por maus bocados em sua escola: frequentemente o personagem é insultado por seu professor autoritário. 

Em meio a seus devaneios, como válvula de escape da realidade, Pink imagina ele e seus colegas de sala protestando contra o totalitarismo do sistema educacional e contra os professores da escola.

We don’t need no education (Nós não precisamos de nenhuma educação)
We don’t need no thought control (Nós não precisamos de nenhuma lavagem cerebral)
No dark sarcasm in the classroom (De nenhum sarcasmo na sala de aula)
Teachers leave them kids alone (Professores, deixem as crianças em paz)
Hey! Teachers! Leave them kids alone! (Ei! Professor! Deixe as crianças em paz!)
All in all it’s just another brick in the wall (No final, é apenas mais um tijolo no muro)
All in all you’re just another brick in the wall (No final, você é apenas mais um tijolo no muro)

Essa estrofe é cantada duas vezes: na primeira vez ouvimos a voz de Roger Waters e na segunda o icônico coral de crianças. 

Essa faixa faz uma grande crítica ao sistema educacional britânico. Na época em que foi composta, a forma de educar era baseada em um modelo totalitário, opressor e rigoroso, que não estimulava os valores éticos e nem o pensamento crítico das crianças. 

As crianças se revoltam porque não querem, no futuro, ser como as pessoas que estão as “educando”.

Parte III – Protesto

Another Brick In The Wall III começa com um som de vidro sendo espatifado. A revolta é demonstrada através da distorção e do efeito das guitarras, dos riffs de baixo, da bateria e do vocal furioso. Aperta o play:

Aqui, um bom tempo já se passou. Pink não é mais uma criança, e isso é retratado no verso abaixo: 

I don’t need no arms around me (Eu não preciso de braços ao meu redor)
And I don’t need no drugs to calm me (E eu não preciso de nenhuma droga para me acalmar)
I have seen the writing on the wall (Eu vi a escrita na parede)
Don’t think I need anything at all (Não acho que eu preciso de nada)
No! Don’t think I’ll need anything at all (Não! Não acho que vou precisar de nada)
All in all it was all just bricks in the wall (No final, tudo era apenas tijolos no muro)
All in all you were all just bricks in the wall (No final, vocês eram apenas tijolos no muro)

Agora temos um Pink mais velho e desesperançoso. Com tantos altos e baixos, o personagem passa a acreditar que não precisa de nada e de ninguém.

Lembra que o personagem usa tijolo como uma metáfora para seus traumas? De sofrimento em sofrimento, ele acaba construindo uma parede. Mas, ao fazer isso, ele se isola de tudo e de todos ao seu redor.

Super interessantes as três partes desta letra, né? 😄 Agora entendeu porque precisava saber um pouquinho da vida do Roger Waters? Analisando assim dá para entender a relação entre o personagem Pink e o compositor.

O clipe da música Another Brick In The Wall

Te contamos que a Parte II é mais famosa que as outras, né? Ela tem um clipe que se tornou um clássico. Confere só: 

Uma curiosidade legal é que, no clipe, o professor lê a seguinte frase: Money, get back! I’m all right, Jack, keep your hands off of my stack (Dinheiro, volte! Eu estou bem, cara, tire as suas mãos do meu monte). Os produtores do clipe colocaram um trechinho da letra da música Money, outro sucesso do Pink Floyd. Genial, né? 👏

Curtiu o clipe? O clipe é um pedaço do filme The Wall, lançado em 1982. Já coloca na sua lista!

Ouça mais Pink Floyd

Curtiu conhecer o significado de Another Brick In The Wall? Para continuar no clima, descubra mais mistérios nas letras do Pink Floyd em 30 músicas. Além das músicas serem ótimas, tem mais curiosidades em cada uma.

Pink Floyd em 30 músicas

Se você gosta de análise de letras, você também vai gostar de…