Foto do artista Bruno e Marrone

Boate Azul / Sublime Renúncia / Meu Primeiro Amor

Bruno e Marrone


Doente de amor
Procurei remédio na vida noturna
Com a flor da noite
Em uma boate aqui na zona sul
A dor do amor
É com outro amor que a gente cura
Vim curar a dor desse mal de amor
Na boate azul
E quando a noite vai se agonizando
No clarão da aurora
Os integrantes da vida noturna
Se foram dormir
E a dama da noite que estava comigo
Também foi embora
Fecharam-se as portas
Sozinho de novo tive que sair
Sair de que jeito
Se nem sei o rumo para onde vou
Muito vagamente me lembro que estou
Em uma boate aqui na zona sul
Eu bebi demais
E não consigo me lembrar sequer
Qual era o nome daquela mulher
A flor da noite na boate azul

Hoje meus dias
São de tristeza e solidão
Trago em minha alma
Uma profunda conformação
Renunciei meu grande amor um dia
Nos braços dela
Em que tão triste eu dizia
Beijando os lábios
Do meu amor com frenesi
Não chores, por favor
Porque preciso partir
Esse foi o meu último beijo
Satisfiz o meu desejo
O pior foi te perder
Resignemos, oh querida
Não lamentemos
A vida nosso destino é sofrer

Saudade, palavra triste
Quando se perde um grande amor
Na estrada longa da vida
Eu vou chorando a minha dor
Igual a uma borboleta
Vagando triste por sobre a flor
Teu nome sempre em meus lábios
Irei chamando por onde for
Você nem sequer se lembra
De ouvir a voz desse sofredor
Que implora por seus carinhos
Só um pouquinho do seu amor
Meu primeiro amor
Tão cedo acabou
Só a dor deixou
Nesse peito meu
Meu primeiro amor
Foi como uma flor
Que desabrochou
E logo morreu
Nessa solidão
Sem ter alegria
O que me alivia
São meus tristes ais
São prantos de dor
Que dos olhos caem
É porque bem sei
Quem eu tanto amei
Não verei jamais

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir