De cacho atado troteia firme o meu mouro
Luzindo a estampa de pingo dos meus arreios
Me balanceio e tenteio dum estrivo ao outro
Rumo ao povoado no reponte deste anseio
Meu mouro pampa que se embala nas ponteadas
Masca o bocal com jeito de redomão
Se balanceia babando uma espuma branca
Passarinheiro quase nem pisa no chão
Eu trago a alma já templada pela gana
De atar meu mouro no palanque da ramada
Na manhã clara e um domingo ensolarado
Que se destapa no olhar de quem me agrada
Onde te vejo
Mais linda que a estrela D'alva
Ânsia e feitiço
Graça da flor do aguapé

Que me volteia o domínio do teu encanto
E um rancho pampa quinchado de Santa Fé
Que me volteia o domínio do teu encanto
E um rancho pampa quinchado de Santa Fé

Onde te vejo
Mais linda que a estrela D'alva
Ânsia e feitiço
Graça da flor do aguapé

Como eu queria que este mouro que hoje encilho
Tivesse a marca deste simples domador
Pra que eu pudesse junto ao carinho de um mate
Dar de presente pra ti com sincero amor
Mas algum dia se Deus, quiser lá na estância
Por uma doma se o patrão me permitir
Redomoneio um picaço lunarejo
Que tá orelhano e dou de presente pra ti
Toso a capricho, corto os casco e adelgaço
Ajeito um nome que seja do teu agrado
Não sou guasqueiro mas pra minha linda eu me atrevo
E com carinho faço um preparo ponteado
Eu sei que é pouco
Pra ti que merece tanto!
Talvez um dia
O meu destino seja outro

E eu me costeie frente ao teu grito de forma
E tu embuçale o meu coração de potro
E eu me costeie frente ao teu grito de forma
E tu embuçale o meu coração de potro

Eu sei que é pouco
Pra ti que merece tanto!
Talvez um dia
O meu destino seja outro.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir