Faça login para habilitar sua assinatura e dê adeus aos anúncios

Fazer login
exibições de letras 93.249

O Malandro

Chico Buarque

O malandro na dureza
Senta à mesa do café
Bebe um gole de cachaça
Acha graça e dá no pé

O garçom no prejuízo
Sem sorriso, sem freguês
De passagem pela caixa
Dá uma baixa no português

O galego acha estranho
Que o seu ganho tá um horror
Pega o lápis, soma os canos
Passa os danos pro distribuidor

Mas o frete vê que ao todo
Há engodo nos papéis
E pra cima do alambique
Dá um trambique de cem mil réis

O usineiro nessa luta
Grita (ponte que partiu)
Não é idiota, trunca a nota
Lesa o banco do Brasil

Nosso banco tá cotado
Tá cotado
No mercado exterior
Então taxa a cachaça
A um preço assutador

Mas os ianques com seus tanques
Têm bem mais o que fazer
E proíbem os soldados
Aliados de beber

A cachaça tá parada
Rejeitada no barril
O alambique tem chilique
Contra o banco do Brasil

O usineiro faz barulho
Com orgulho de produtor
Mas a sua raiva cega
Descarrega no carregador

Este chega pro galego
Nega arrego cobra mais
A cachaça tá de graça
Mas o frete como é que faz?

O galego tá apertado
Pro seu lado não tá bom
Então deixa congelada
A mesada do garçom

O garçom vê um malandro
Sai gritando pega ladrão
E o malandro autuado
É julgado e condenado culpado
Pela situação

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Chico Buarque. Essa informação está errada? Nos avise.
Revisões por 2 pessoas . Viu algum erro? Envie uma revisão.

Comentários

Envie dúvidas, explicações e curiosidades sobre a letra

0 / 500

Faça parte  dessa comunidade 

Tire dúvidas sobre idiomas, interaja com outros fãs de Chico Buarque e vá além da letra da música.

Conheça o Letras Academy

Enviar para a central de dúvidas?

Dúvidas enviadas podem receber respostas de professores e alunos da plataforma.

Fixe este conteúdo com a aula:

0 / 500


Opções de seleção