É calor de mês de agosto
É meados de estação
Vejo sobras de queimada
E fumaça no espigão

Lavrador tombando terra
Dá de longe a impressão
De losangos cor de sangue
Desenhados pelo chão

Terra tombada é promessa
De um futuro que se espelha
No quarto verde dos campos
A grande cama vermelha

Onde o farto das sementes
Faz brotar de suas covas
O fruto da natureza
Cheirando a criança nova

Terra tombada
Solo sagrado chão quente
Esperando que a semente
Venha lhe cobrir de flor

Também minha alma
Ansiosa espera confiante
Que em meu peito você plante
A semente do amor

Terra tombada é criança
Deitada num berço verde
Com a boca aberta pedindo
Para o céu matar-lhe a sede

Lá na fonte ao pé da serra
É o seio do sertão
A água, leite da terra
Alimenta a plantação

O vermelho se faz verde
Vem o botão, vem a flor
Depois da flor a semente
O pão do trabalhador

Debaixo das folhas mortas
A terra dorme segura
Pois nos dará para o ano
Novo parto de fartura

Terra tombada
Solo sagrado chão quente
Esperando que a semente
Venha lhe cobrir de flor

Também minha alma
Ansiosa espera confiante
Que em meu peito você plante
A semente do amor

Também minha alma
Ansiosa espera confiante
Que em meu peito você plante
A semente do amor

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Carlos Cezar / Jose Fortuna. Essa informação está errada? Nos avise.
Legendado por Vinívia e Dionizio. Revisões por 10 pessoas . Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog