exibições 2.570

Dolcenera

Amìala ch'â l'arìa amìa cum'â l'é cum'â l'é
Amiala cum'â l'aria ch'â l'è lê ch'â l'è lê
Amiala cum'â l'aria amìa amia cum'â l'è
Amiala ch'â l'arìa amia ch'â l'è lê ch'â l'è lê

Nera che porta via che porta via la via
Nera che non si vedeva da una vita intera così dolcenera nera
Nera che picchia forte che butta giù le porte

Nu l'è l'aegua ch'à fá baggiá
Imbaggiâ imbaggiâ

Nera di malasorte che ammazza e passa oltre
Nera come la sfortuna che si fa la tana dove non c'è luna luna
Nera di falde amare che passano le bare

Âtru da stramûâ
 nu n'á â nu n'á

Ma la moglie di anselmo non lo deve sapere
Ché è venuta per me
È arrivata da un'ora
E l'amore ha l'amore come solo argomento
E il tumulto del cielo ha sbagliato momento

Acqua che non si aspetta altro che benedetta
Acqua che porta male sale dalle scale sale senza sale sale
Acqua che spacca il monte che affonda terra e ponte

Nu l'è l'aaegua de 'na rammâ
'N calabà 'n calabà

Ma la moglie di anselmo sta sognando del mare
Quando ingorga gli anfratti si ritira e risale
E il lenzuolo si gonfia sul cavo dell'onda
E la lotta si fa scivolosa e profonda

Amiala cum'â l'aria amìa cum'â l'è cum'â l'è
Amiala cum'â l'aria amia ch'â l'è lê ch'â l'è lê

Acqua di spilli fitti dal cielo e dai soffitti
Acqua per fotografie per cercare I complici da maledire
Acqua che stringe I fianchi tonnara di passanti

Âtru da camallâ
 nu n'à â nu n'à

Oltre il muro dei vetri si risveglia la vita
Che si prende per mano
A battaglia finita
Come fa questo amore che dall'ansia di perdersi
Ha avuto in un giorno la certezza di aversi

Acqua che ha fatto sera che adesso si ritira
Bassa sfila tra la gente come un innocente che non c'entra niente
Fredda come un dolore dolcenera senza cuore

Atru de rebellâ
 nu n'à â nu n'à

E la moglie di anselmo sente l'acqua che scende
Dai vestiti incollati da ogni gelo di pelle
Nel suo tram scollegato da ogni distanza
Nel bel mezzo del tempo che adesso le avanza

Così fu quell'amore dal mancato finale
Così splendido e vero da potervi ingannare

Amìala ch'â l'arìa amìa cum'â l'é
Amiala cum'â l'aria ch'â l'è lê ch'â l'è lê
Amiala cum'â l'aria amìa amia cum'â l'è
Amiala ch'â l'arìa amia ch'â l'è lê ch'â l'è lê

Doce Negra

Olha que chega, olha como é, como é
Olha como chega, olha que é ela, que é ela
Olha como chega, olha, olha como é
Olha que chega, que é ela, que é ela

Negra que leva embora, que leva embora a rua
Negra como não se via em uma vida inteira, tão doce negra negra
Negra que golpeia forte que põe abaixo as portas

Não é a água que faz bocejar
Fecha portas e janelas, fecha portas e janelas

Negra de azar que mata e vai além
Negra como o infortúnio que faz a toca onde não tem lua lua
Negra de faldas amargas que passam pelos caixões

Outro para transportar
Não tem, não tem

Mas a mulher de Anselmo não deve saber
Que é vinda a mim
Chegou há uma hora
E o amor tem só o amor como argumento
E o tumulto do céu errou o momento

Água que não se espera nada além de bendita
Água que carrega o mal sal das escadas sal sem sal sal
Água que destrói as montanhas que afunda terra e ponte

Não é a água de uma pancada de chuva
Uma grande bagunça, uma grande bagunça

Mas a mulher de Anselmo está sonhando com o mar
Quando entope as ravinas transborda e remonta
E o lençol se infla sobre o cavo da onda
E a luta se faz escorregadia e profunda

Olha que chega, olha como é, como é
Olha como chega, olha que é ela, que é ela

Alfinetes espessos d'água do céu e dos tetos
Água para fotografias, para procurar os cúmplices para maldizer
Água que aperta os lados, rede de pesca de transeuntes

Outro para colocar-se nos ombros
Não há, não há

Além do muro dos vidros se desperta a vida
Que se segura pela mão
A batalha terminada
Como faz este amor que pelo medo de perder-se
Possuiu um dia a certeza de ter-se

Água que fez noite que agora se retira
Baixa desfila entre as pessoas como um inocente que não sabe nada
Fria como uma dor, doce negra sem coração

Outro para arrastar
Não há, não há

E a mulher de Anselmo escuta a água que desce
Dos vestidos colados de cada gelo de pele
No seu bonde desligado de toda distância
No meio do tempo que agora lhe avança

Assim foi aquele amor para fracassado fim
Tão esplêndido e verdadeiro para poder-vos enganar

Olha que chega, olha como é, como é
Olha como chega, olha que é ela, que é ela
Olha como chega, olha, olha como é
Olha que chega, que é ela, que é ela

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Fabrizio De André / Ivano Fossati. Essa informação está errada? Nos avise.
Enviada por Anderson e traduzida por E. Revisões por 3 pessoas . Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog