Eu conheci lá no estado de Minas
Um sujeito gente fina
Honra de um trabalhador
Não tinha hora que chega-se
Em sua casa pra dizer que Tonho
Tava pra fazer qualquer favor
Aí então conheceu a Carolina
Era uma linda menina daquelas
Que se engana
E uma coisa que por fora não se via
A danada possuia um sangue de caninana.

Refrão

Chega a cinta nela Tonho
Chega a cinta nela Tonho.Bis
Ela tem que respeitar
Se essa mulher não apanha ela fica sem vergonha
Chega a cinta nela Tonho.

E se casou com o Tonho
Imediatamente um pedacinho de gente
Linda como a lua cheia
Daio então foi perder a liberdade
Foi viver na eternidade como fosse na cadeia
Todas as noites na hora de se deitar
Ela sempre a reclama pois está muito calor
Ninguém podia encostar-se em sua perna
Só chegando a cinta nela pra poder fazer amor.

Refrão

Um dia desses o Tonho foi lá no barzinho
Foi jogar o esnuquinho até a hora de dormir
A peça em casa quando deu falta do tonho
Se virou-se no demonio procurou daqui pra li
A meia noite achou ele no boteco
Disse a ele seu boneco porque tu não vai pra casa
Virou a mesa quebrou taco e deu no Tonho
Chutou o seu patrimonio e seus amigos assim gritaram.

Refrão.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir