Neste dia sem luz que me anoitece
Que me sepulta inteiro
Até de mim a minha dor se esquece
Para que eu seja um morto verdadeiro

Chove tristeza fria no telhado
Do castelo do sonho, nua, nua
A calçada que subo, já cansado
De tanto andar perdido nesta rua

Duma olaia caiu, morta, amarela
Qualquer coisa que foi princípio e fim
E bem olhada, bem pensada, é ela
Aquela folha que lutou por mim

Sozinho e morto ouço cantar alguém
Mas é longe demais a melodia
E o ouvido que vai nunca mais vem
Trazer-me a luz que falta no meu dia

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Bernardo Couto / Miguel Torga. Essa informação está errada? Nos avise.

Posts relacionados

Ver mais posts