Faça login para habilitar sua assinatura e dê adeus aos anúncios

Fazer login
exibições de letras 23.130

Indecência Militar

Gabriel O Pensador

Na porta do local do alistamento militar (indecência)
Esperando pela hora de entrar
De saco cheio estava eu lá (paciência)
Sem nenhuma mulher pra agarrar e nenhum som pra escutar
E um monte de marmanjo do meu lado eu vi
Então pensei: Porra. O quê que eu tô fazendo aqui?
(Pergunta sem resposta) e raiva lá dentro
Foi assim que eu fiz o rap pra passar o tempo

Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Escravidão numa democracia é uma incoerência
Um ano sem mulher, batendo continência
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência

Um ano sem mulher
Só ralando (E o salário...)
Não leve a mal, mas isso é coisa pra otário
Alguns podem até gostar da brincadeira
Mas o serviço só é bom pra quem quer seguir carreira militar
Mas rapá...
Pro Pensador não dá
Servindo o Exército, Marinha, Aeronáutica ou qualquer porra dessa
Não interessa
Eu ia ser um infeliz e ia ficar revoltado como eu nunca quis
Servindo quem montou a ditadura aqui no meu país!
Usando farda
Lavando o chão
Sem reclamar de nada pra não ser jogado na prisão
(Hum mas que situação)
Batendo continência e fazendo flexão
Para os caras que prenderam meu pai
E mataram tantos outros institucionalizando a repressão (Não!)

Agora acorda e concorda com esse refrão
(E porque não?)
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Escravidão numa democracia é uma incoerência
Um ano sem mulher, batendo continência
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência

Nas mãos dos militares muito jovem já morreu
Não quero ser soldado
Quem manda em mim sou eu!
Isso é o defeito da nossa sociedade
Exijo mais respeito pela minha liberdade
Um ano da minha vida não pode ser gasto assim
Escravizado por quem nunca fez nada de bom por mim
Essa contradição alguém me explique um dia
Serviço obrigatório não combina com democracia
A porta abre e todos entram
Torcendo pra sobrar
Enquanto isso dá vontade de cantar:

Serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência (tô fora!)
Porque o serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Escravidão numa democracia (pra quê?) é uma incoerência
Um ano sem mulher, batendo continência (num acredito)
Serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Serviço militar obrigatório é uma indecência
Um ano sem mulher, batendo continência
Olha aí, rapaz, como você fala das nossas instituições democráticas
Ah-ha, instituições o quê?
Ih, eu acho que eu tô doidão, eu vi democráticas (ah, tá!)

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Gabriel o Pensador / Fabio Fonseca. Essa informação está errada? Nos avise.
Enviada por Walter. Legendado por Gabriel. Revisão por Bibi. Viu algum erro? Envie uma revisão.

Comentários

Envie dúvidas, explicações e curiosidades sobre a letra

0 / 500

Faça parte  dessa comunidade 

Tire dúvidas sobre idiomas, interaja com outros fãs de Gabriel O Pensador e vá além da letra da música.

Conheça o Letras Academy

Enviar para a central de dúvidas?

Dúvidas enviadas podem receber respostas de professores e alunos da plataforma.

Fixe este conteúdo com a aula:

0 / 500


Opções de seleção