(Entre as ciganas bonita foi uma que eu conheci
E nos dois se conhecemo se arresolvemo a fugir
E o chefe dos ciganos resolveu nos prosseguir
Para matar a cigana lutaram até descobrir
E eu quero explicar cantando a dor cruel que eu sofri)


Eu roubei ela pra o meu ranchinho
E fui me escapando da tal caravana
E ali nos vivia juntinho
Então convivemos diversas semana
Eu pra o campo saía cedinho,
Mas antes eu de ir da choupana
Abraçava e dava um beijinho
Bem ligadinho aos lábios da cigana

Lá do tope eu olhava pra trás
E ela acenava pra mim da janela
E eu punha um lenço na ponta de um relho
De um relho eu também acenava pra ela
Um dia de tarde ao voltar para o rancho
Pensando de achar a mesma alegria
Porém as tristezas que tinham no mundo
Ficou reservadas pra mim neste dia

Naquela janela não tinha ninguém
Entrei para dentro a casa vazia
Saí pela estrada montado a cavalo
Procurando achá-la no rastro que eu via
E numa curva de longe enxerguei
E desconfiei que fosse a coitada
Ao chegar perto então foi que eu vi
E reconheci a minha rica amada

Eu encontrei o seu corpo caído
Seu peito ferido com três punhalada
Fiz uma cova para a coitadinha
Bem na beiradinha da curva da estrada
E eu todas as tardes passo por ali
Para enfeitar sua campa de flor
Na própria reza também vou pedir
Perdão por ela ao Nosso Senhor

Que Deus tenha pena dê perdão pra ela
Porque foi aquela o meu primeiro amor

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir