Essa maria fumaça, devagar quase parada
O seu foguista bota fogo na fogueira
Que essa chaleira tem que estar até sexta-feira
Na estação de pedro osório, sim senhor
Se esse trem não chegar a tempo vou perder meu casamento
Abre a catraca de carvão dessa lareira
Que esse fogão é que acelera essa banheira
O padre é louco e bota outro em meu lugar
Se chego tarde não vou casar
Eu perco a noiva e o jantar
A moça não é nenhuma miss
Mas é prendada e me faz feliz
Seu pai é um próspero fazendeiro
Não é que eu seja interesseiro
Eu sei que é bom, e aconselhavél
Unir o útil ao agradável
Esse trem não sai do chão
Urinaram no carvão
Intupiram a lotação
E eu nem sou desse vagão
O negão e o alemão
Empregado com o patrão
Opa, opa, já me passar a mão
Ora vai lamber sabão

Parara, parara, parara, parara

Se por acaso eu não casar
Alguém vai ter que indenizar

Esse expresso vai a trote mais parece um pangaré
Uma carroça o jaboti com chaminé
Eu tenho pena de quem segue pra bagé
Seu cobrador cadê meu troco por favor

Tras amigo a manivela passa sebo na canela
Seu maquinista eu vou tirar meu pai da forca
Porque não joga esse museu no ferro-velho
E compra logo um trem moderno japonês
No dia alegre do meu noivado
Pedi a mão todo emocionado
A mãe da moça me garantiu
"ela é virgem, só que morou no rio"
Seu pai falou "é carne de primeira
Mas se abre a boca só sai besteira"
Eu disse fico "c'oesta guria
Só quero mesmo pra tirá cria
Esse trem não era o teu
Esvaziaram o meu pneu
Mas cadê esse guri?
Tá na fila do xixi
Foi alguém de canguçu
Buru, buru,bururu
Chama o homem do quartel
Deu enjoo na mulher
Fez porquinho no meu pé

Parara, parara, parara, parara

Se por acaso eu não casar
Alguém vai ter que indenizar
É o presidente dessa tal
Rffsa

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir