Embora com futuro incerto, um louco escrevendo alguns versos
Em meio à escuridão, navego no mar de lágrimas
Em busca da calma, procurando mim alma
Sentimento louco, dor me atrapalha
Quebrei as algemas, destruí o sistema
Gladiador na arena, tô de volta na cena

Droga que te leva até as nuvens
Não te oferece paraquedas
Não gaste a moeda, na brisa incerta
Não pague pra ver, tenha consciência
A babilônia vai sugar sua essência
Na internet a discussão pra ver quem é mais imbecil
Questão não é se legaliza ou não o fuzil
Atrás da tela do PC se acha demais
Na vida real se mostra uma incapaz
Não move um dedo pra uma mudança

E na minha lembrança, as manifestações, que moveram multidões
Porem nada mudou, continuam roubando milhões
Vejo um cenário triste que apavora
Esquerda burra e uma direita retrógrada
Engravatados, porcos imundos
Ninguém morre virgem
O Governo fode todo mundo, troque essa bala por um livro

Um mundo guiado por poetas seria menos fodido
Ausência da dor sem corações partidos
Difícil de crer, do que adianta fazer história
Num pais que ninguém lê, caos interno, desordem e regresso
Brasil destruído pelos caras de terno
Toque na ferida, sangue entre as mãos
Destrói a mente e estraçalha coração
Pássaro preso não chora, lamenta

Sofrimento que alimenta, foca na missão, desistir não é opção
Pra força divina eu peço proteção
Papo de visão, muleque se ilude na atração
Cai em contradição, perde argumento
Estraçalha, estilhaça e se quebra no chão
Antes da maconha, legaliza a educação
Mesmo com motivos não puxe o gatilho
Continue vivo, não dê brecha pro inimigo
Noite inacabada, sem sorriso, sem calma

Terra onde a espada, corta menos
Que a Rosa e aqui vai minha menção honrosa
Minha batalha não há trégua, sou mais um sobrevivente de guerra
Poesia já escrita, história que não diverge
Reclama do 7X1, muito mais triste é os 171
Que descansem em paz, nossos 71
Guerreiros de Condá, 28 de Dezembro
No céu foram brilhar, com os anjos comemorar

A bancada com um elenco cruel, onde nunca são réus
Enquanto alguns vendem um lugar no céu
A realidade é não doce muito menos tem gosto de mel
Embora com futuro incerto, nada concreto
Não agradado com meu versos, vim pra ser indigesto
Embora com futuro incerto, nada concreto
Não agradado com meu versos, vim pra ser indigesto
Embora com futuro incerto, nada concreto

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir