Vi lá em cima no céu brilhando
Mas de uma lua não estou na terra
Nenhuma nuvem ninguém na nave
Vênus ou Marte aonde estou

Nessa solidão selvagem e silenciosa
Clima carregado de suspeitas
Eu espreitava aguardava a hora exata
De voltar pro meu planeta
Súbito clarão veio de cima num susto
Num átimo imprimiu uma mensagem
Numa pedra um relâmpago elétrico

Depois de ler e reler o texto escrito
Constatei aflito ser um ultimato um veredicto
Abandone as esperanças
Tudo por aqui é teia de aranha, seu mosquito
Você profanou a minha carne
Com essa geringonça estúpida daqui não sairás

Pois agora aqui será teu paradeiro
Pesadelo purgatório teu inferno
Paraíso nunca

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais posts