exibições 33
Foto do artista João Chagas Leite

Quando o céu sebruno se tinge em rosado
E meio encabulado vem parir o dia
Já me encontra de boçal tirado
Gerviando um amargo de erva guria

A pampa menina despida espreguiça
Suaves primícias de nudez tão crua
Só quem madruga goza as alvícias
De tê-la assim imaculada e nua

A mãe natureza que embalava a noite
De pronto se emponcha de um amor fugaz
E deixa a ternura de suas cantilenas
Pra engajar-se a um canto de um clarim de penas
Que acorda a pampa pra um diz de paz

Na vanguarda insone dos primos albores
Vou lembrando amores, cambichos e anseios
E as águas alvas das sangas são prantos
Que entoam cantos pra os meus devaneios

Mas o sol não para, parece apressado
Timbrando em dourado o pó do corredor
Já se foi a aurora, é chegado o dia
Já roncou a cuia, foi-se a fantasia
Lá se foram sonhos de um madrugador

A pampa menina despida espreguiça
Suaves primícias de nudez tão crua
Só quem madruga goza as alvícias
De tê-la assim imaculada e nua

A mãe natureza que embalava a noite
De pronto se emponcha de um amor fugaz
E deixa a ternura de suas cantilenas
Pra engajar-se a um canto de um clarim de penas
Que acorda a pampa pra um diz de paz

Pra um diz de paz

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir