Y Sin Embargo

De sobra sabes
Que eres la primera
Que no miento si juro que daría
Por ti la vida entera, por ti la vida entera
Y sinembargo un rato cada día
Ya ves

Te engañaría con cualquiera
Te cambiaría por cualquiera
Mitad arrepentido y encantado
De haberme conocido, lo confieso
Tú que tanto has besado tú

Que me has enseñado
Sabes mejor que yo
Que hasta los huesos
Sólo calan los besos que no has dado
Los labios del pecado

Porque una casa sin ti es una emboscada
El pasillo de un tren de madrugada
Un laberinto sin luz, ni vino tinto
Un velo de alquitrán en la mirada

Y me envenenan los besos que voy dando
Y sin embargo cuando duermo sin ti
Contigo sueño
Y con todas si duermes a mi lado
Y si te vas me voy por los tejados
Como un gato sin dueño
Perdido en el pañuelo de amargura
Que empaña sin marcharla tu hermosura

No debería contarlo y sinembargo
Cuando pido la llave de un hotel
Y a medianoche encargo
Un buen champán francés
Y cena con velitas para dos
Siempre es con otra, amor, nunca contigo
Bien sabes lo que digo

Porque una casa sin ti es una oficina
Un teléfono ardiendo en la cabina
Una palmera en el museo de cera
Un exódo de oscuras golondrinas

Y me envenenan los besos que voy dando
Y sinembargo cuando duermo sin ti
Contigo sueño
Y con todas si duermes a mi lado
Y si te vas, me voy por los tejados
Como un gato sin dueño,
Perdido en el pañuelo de amargura

Que empaña sin mancharla tu hermosura
Y cuando vuelves hay fiesta en la cocina
Y baile sin orquesta
Y ramos de rosas, con espinas

Pero dos no es igual que uno más uno
Y el lunes, al café del desayuno, vuelve la guerra fría
Y al cielo de tu boca el purgatorio
Y al dormitorio el pan de cada día
Y me envenenan los besos que voy dando

E No Entanto

Sabes bem
Que és a primeira
Que não minto, se eu jurar que daria
Por ti a vida inteira, por ti a vida inteira
E no entanto, em algum momento, a cada dia
Viste

Enganaria-te com qualquer uma
Trocaria-te por qualquer uma
Metade arrependido e encantado
De ter me conhecido, eu confesso
Tu que tanto beijaste, tu

Que me ensinaste
Sabes melhor que eu
Que até os osso
Só penetram os beijos que me deste
Os lábios do pecado

Porque uma casa sem ti é uma embaixada
O corredor de um term de madrugada
Um labirinto sem luz, nem vinho tinto
Um véu de alquitrã no olhar

E me envenenam os beijos que vou dando
E no entanto quando durmo sem ti
Contigo eu sonho
E com todas se dormes ao meu lado
E se vai embora, eu vou pelos telhados
Como uma gato sem dono
Perdido no guardanapo da amargura
Que opaca sem manchar tua beleza

Não deveria contar isto e no entanto
Quando peço a chave de um hotel
E a meia noite ordeno
Uma bom champanhe francês
E jantar à luz de velas para dois
Sempre é como utra amor, nunca contigo
Bem sabes o que digo

Porque uma casa sem ti é um escritório
Um telefone ardendo na cabine
Uma palmeira no museu de cera
Um êxodo de escuras andorinhas

E me envenenam os beijos que vou dando
E no entanto quando durmo sem ti
Contigo eu sonho
E com todas se dormes ao meu lado
E se vai embora, eu vou pelos telhados
Como uma gato sem dono
Perdido no guardanapo da amargura

Que opaca sem manchar tua beleza
E quando voltas há festa na cozinha
E dança sem orquestra
E ramilhetes de rosas, com espinhos

Mas dois não é o mesmo que um mais um
E na segunda-feria, no café da manhã, reinicia a guerra fria
E ao céu da tua boca o purgatório
E à habitação o pão de cada dia
E me envenenam os beijos que vou dando

Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Antonio Garcia de Diego / Joaquín Sabina / Pancho Varona · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Leon, Traduzida por carlos
Viu algum erro na tradução? Envie sua correção.