Habilite sua assinatura e dê adeus aos anúncios

Habilitar
exibições 2.542

Fado Da Falência

Língua de Trapo

Lá nas terrinha portuguesas,
Eu nunca fui um milionário.
Por outras eu tenho a certeza
Que eu nunca fiz papel de otário.
Vim pra São Paulo de trambique,
Pra trabalhar nuns biscatinhos
Fugindo lá de Moçambique
Saí da guerra de fininho.
Montei depressa uma cantina.
Especialista no tremoço.
Abria a sete da matina
Fechava na hora do almoço.

REFRÃO (repete)

Foi um fracasso financeiro.
Arruinou-se o capital.
Confiscaram o meu dinheiro
Não pude ir pra Portugal.

Mas Santo Antônio me ajudou.
Ganhei no bingo vinte bi.
Montei firma de aquecedores
No interior do Piauí.
Veio a falência me arrasaire
E era cobrança noite e dia.
E quando fui me suicidaire.
Eu arrendei uma padaria.
Já dependei uns cem franquinhos.
Nas minhas mãos fiz até calo
No Brasil ninguém bebe vinho.
Só tomam o rabo do galo.

Fui um fracasso financeiro
Arruinou-se o capital.
Confiscaram o meu dinheiro
Não pude ir pra Portugal

Tirei da manga outro valete
Utilizando raciocínio.
Abri lá na Alameda Glete
Uma casa de lenocínio.
A freguesia se esbaldava
Com aquelas noitadas de orgia.
Uns cem escudos eu cobrava,
Já incluindo a companhia.
Que dispaltério, ai, ai, Jesus.
Fecharam-me a casa, que lástima.
Porque dei nome ao rendez-vous,
De Nossa Senhora de Fátima.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Comentários

Envie dúvidas, explicações e curiosidades sobre a letra

0 / 500

Faça parte  dessa comunidade 

Tire dúvidas sobre idiomas, interaja com outros fãs de Língua de Trapo e vá além da letra da música.

Conheça o Letras Academy

Enviar para a central de dúvidas?

Dúvidas enviadas podem receber respostas de professores e alunos da plataforma.

Fixe este conteúdo com a aula:

0 / 500

Posts relacionados Ver mais no Blog


Opções de seleção