exibições 12.154
Foto do artista Lisandro Amaral

Ritual de Morte e Manada

Lisandro Amaral


Gritos de guerra e uma tropilha em disparada
Vigor de eguada em desespero e fim de luz
Nem uma cruz a demarcar que este perau
Foi vendaval, cortando a morte sem consolo
Ritual crioulo a consumir pelo e carnal
Pelo e carnal

Vinha no mouro o mais campeiro dos vaqueanos
Num baio-ruano, um índio pampa boleador
Força e calor em tantos outros sem bandeira
Que a polvoadeira desfarçou na correrias
Na valentia de um olhar de boleadeiras

Aaaaaaaaaaaaiahahaiaha

Correndo eguada por motivos de fronteira
Gritos de guerra no olhar das boleadeiras
Gritos de guerra, no olhar das boleadeiras

A vida é um laço que se estende frente aos homens
Também consome quem se vai rumo ao perau
Ser imortal é deixar frutos quando passa
Será torcaça frente à paz do semelhante
Junto aos errantes ser bandeira de uma raça

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir