Meu sonho toreou na estrada muito aguaceiro
Por ter alma de poncho, se fez tropeiro
Aos olhos brancos da lua rondou ausências de ti
Sabendo que o fim da estrada é longe daqui

Bocal sovado no queixo de um mouro-pampa,
Empurra um resto de vida que é tropa larga
As duas cruzes de espinhos, na espora falam por si
E sabem que o rancho dela é longe daqui

Tenho as mãos do tempo, sou irmão de tantos
Que andaram, sem norte
Seguindo tropas de tantos senhores
E agora changueiam vida nos corredores

Será a saudade o terço dos deserdados?
Será um corredor o céu de quem se perdeu?
Terá, no altar do campo, uma cruz cravada
Quem nunca apeiou na estrada e pediu por Deus?

Meu sonho plantou nos olhos muito aguaceiro,
Por ter alma tropeira, acendeu luzeiros!
Aos olhos baios do sol, clareou ausências de ti
Buscando razões de ser e estar aqui...

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir