Baseado em carne viva e fatos reais
É o sangue dos meus que escorre pelas marginais
E vocês fazem tão pouco, mas falam demais
Fazem filhos iguais, assim como seus pais
Tão normais e banais, em processos mentais
Sem sistema digestivo lutam para manter vivo
Morto, vivo, morto, vivo, morto, morto, morto, viva!

Bomba pra caralho, bala de borracha, censura, fratura exposta
Fatura da viatura, que não atura pobre, preta, revoltada
Sem vergonha, sem justiça, tem medo de nós
Não suporta a ameaça dessa raça
Que pra sua desgraça a gente acende, (a) ponta, mata a cobra, arranca o pau
Tem fogo no rabo, passa, faz fumaça, faça chuca ou faça Sol
É uó, (u) ócio do comício em ofício que policia
O comércio de lucros e loucos que aos poucos
Arrancam o couro dos outros mais pretos que louros, os mouros
Morenos, mulatos, pardos de papel passado presente futuro
Mais que perfeito, em cima do muro, em baixo de murro

No morro, na marra quem morre sou eu? Ou sou eu quem mata?
Quem mata, quem multa, quem mata sou eu? Ou sou eu quem mata?
Quem mata, quem multa, quem mata sou eu? Ou sou eu quem mata?

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Linn da Quebrada. Essa informação está errada? Nos avise.
Enviada por Caio. Revisões por 3 pessoas . Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais posts