Um dia sonhei um porvir risonho
E coloquei o meu sonho
Num pedestal bem alto
Não devia e, por isso, me condeno
Sendo do morro e moreno
Amar a deusa do asfalto

Um dia ela casou com alguém
Lá do asfalto também
E dizem que bem lhe quer
E eu triste boêmio da rua
Casei-me também com a Lua
Que ainda é a minha mulher
É cantando que carrego a minha cruz
Abraçado ao amigo violão
E a noite de luar já não tem luz
Quem me abraça é a negra solidão

É, é, é, é cantando que afasto do coração
Esta mágoa que ficou daquele amor
Se não fosse o amigo violão
Eu morria de saudade e de dor

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Adelino Moreira. Essa informação está errada? Nos avise.
Revisões por 4 pessoas . Viu algum erro? Envie uma revisão.

Posts relacionados

Ver mais no Blog