De geração em geração, que é discriminado o negão, e hoje somos cultura, nosso grito de força é a nossa união


Eita olha a falta de respeito tu não aprendeu direito se curve ao povo negro,mais respeito, mais respeito
Eita chega desse preconceito discriminando o negro se curve ao povo negro, mais respeito, mais respeito,

Fala de cor e cresça expressa a dor o amor na voz do poeta faz da vida um protesto diferente de você que fecha os olhos pra quilo que não quer ver só porque você é branco pra mim não tem nada a ver vivemos em um mundo cheio de preconceito barreiras serão quebradas se lutarmos todos juntos pelos nossos direitos, somos escravos do sistema não importa a cor pessoas passam por você não dá nenhum valor crianças pedem esmolas ao invés de estar nas escolas, você despreocupado com tudo isso vira as costas viajando nas ideias estar mais além não se importa com si mesmo e não se importa com ninguem, quando a ficha cair vai ser tarde demais passaram-lhe o rodo e você ficou foi pra trás, capoeira dança de preto e índio que ginga legal encontrado em todo subúrbio já a nível mundial no toque do berimbau na batida do atabaque, abrindo sua mente pra mais uma viajem.

Só na catimbozada,do branco, do índio, do Preto Bronx...

Eita olha a falta de respeito, tu não aprendeu direito se curve ao povo negro,mais respeito, mais respeito

Por trás de uma pele negra se esconde um sorriso de marfim, atráves da mais pura beleza se mostra uma vontade sem fim eu represento uma raça que não tem medo do trabalho, sou Negro meu jogo de cintura me tira de qualquer embaraço, com uma frase atravesso o mundo falando do rei do mendigo então não me chame de vagabundo só porque não andam comigo, o som do subúrbio que agora faz parte da elite que atravessou o mundo e é cantado em meia crise músicas e batidas expressando revolução que correm pelo gueto na voz dos pretos que dançam no salão que sofrem de dia e se divertem de noite, que sorria e amam Musica como a marca do açoite, que andam com medo da foice a cor de pele não é procedência você pode ser julgado não me julgue porque isso é simples tá até na ciência não me intimido quando fazem piada de minha raça eu sou bem mais que isso palhaçadas,não tem mais graça enquanto não mudarmos e lembrarmos porque formos escravizados largados,a música que saiu do subúrbio uma cultura que mudou o mundo mesmo sendo oprimidos a única arma que tinha escapando do seu destino evoluindo através da rima desde o inicio lutando contra o preconceito com ajuda de cristo, eu digo com orgulho Eu Sou Negro, e é a ele que eu dirijo minha rima meus momentos bons e ruins e tambem a minha vida sem problema de base ouvindo o Samba Rock repenso sempre infuenciando meu freestyle


Eita olha a falta de respeito tu não aprendeu direito se curva ao povo negro,mais respeito, mais respeito
Eita chega desse preconceito discriminando o negro se curve ao povo negro, mais respeito, mais respeito,


Atualmente você pode cantar, tem som pra todo lado antigamente isso era sussurrado não podia passar do bairro, então aproveite, agradeça e honre seus antecessores porque hoje não há mais besteira entre nós não há divisores a corrente que me apertava foi quebrada e aquele que me açoitava hoje é motivo de piada não me intimido porque sei que isso me limita, cada música do Tim Maia é uma pagina de minha vida amores, dores na vida tive que aprender, pancadas são necessarias este é o Nordestenato somos guerreiros o som é a arma e a vida é nosso campo de batalha.

Eita chega desse preconceito discriminando o negro se curve ao povo negro, mais respeito, mais respeito.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir