Rugalcaba Quiere Matarme

Pablo Hasél


Rugalcaba Quiere Matarme

Rap real es rapear sobre la realidad
A 2pac lo mató la CIA
Que nos querría asesinar
A quienes no hablamos de joyas
Coches y crack
Pueden buscar bombas
En mi casa no las encontrarán

Yo soy la bomba
Por eso me rastrean obsesivamente
Se siente agente, los maté líricamente
Usted no nos protege, porque si lo hiciera
Metería a poderosos
En la trena con condena eterna

Chiste de mal gusto, el Estado me querella
Injusto como que no muera de gangrena
En el ano Ana botella
Me hacen su enemigo público
Quieren silencio por eso van a por músicos

La derecha odia tener corazón porque es rojo
Al pirata de intereconomía le arrancaría el otro ojo
Escojo un camino poco sencillo
Pillo el micro y me detienen como si apretara el gatillo

Solitario solidario, lúcido hasta borracho
Aznar me escuchó y tiene alopecia en el mostacho
Ahora resulta que yo buscaba esa fama, claro
Te cambio esta polémica por todo lo que me robaron

Me temo que Rugalcaba quiere matarme
Porque no cantochorradas como él
Dale, don, dale
Gastando miles de euros con una brigada especial
Que se dedica a espiarme
Como si tuviera amonal

Libertad condicional, URSS, te echo de menos
Nos quieren violar, y que encima la chupemos
Cuántos chavales saben
Que el capitalismo es despreciable
Por eso Rugalcaba quiere matarme

No consiguieron lavarme el cerebro cual militar
Que van a querer hacer unos genocidas sino asesinar
Los montajes de la tele son más que enfermizos
Porque no dicen que la heroína pa controlar se hizo

Que la metieron en barrios llenos de pobreza
Pa que se mataran sin rebelarse
Perdiendo la lucha de clases
Joder, mi abuela por mi reza
Y luego vota al pp

Cantaré pa que a la acción se pase
Vamos, lucha pacífica no es alzar las manos
Es por ejemplo entrar en bancos y okuparlos
Lucha pacífica no es dar flores a quien te pega

Menos gandis desclasaos y más Marinaleda
La dictadura de la estupidez persigue al que piensa
Y se lava el culo con las mentiras de la prensa
Hijos de la generación que creyó la transición

Al menos que no den lecciones, dirá que corrió
Delante de los grises, como tantísimos más
Pero si lo hubieran hecho tendríamos más derechos y libertad
Quiero cantar por los que hoy lo hacen
Delante de los grises que ahora llevan disfraces

Me temo que Rugalcaba quiere matarme
Porque no cantochorradas como él
Dale, don, dale
Gastando miles de euros con una brigada especial
Que se dedica a espiarme
Como si tuviera amonal

Libertad condicional, URSS, te echo de menos
Nos quieren violar, y que encima la chupemos
Cuántos chavales saben
Que el capitalismo es despreciable
Por eso Rugalcaba quiere matarme

Hace tiempo me mataron y cuando resucité
Tenía la rabia de charles manson ciego de lsd
Hay tentaciones capitalistas difíciles de esquivar
Cegadoras luces de ciudad, droga hasta en el aire

Nostálgico como Johnny Cash, con jack daniels
¿De qué vas? Todos somos alguien y a la vez nadie
Se llena de sangre invisible el puto papel
Soy Hasel, otros una farsa como el estado de Israel

No soporto la violencia gratuita
Pero imaginar 25 horas al día
A genocidas en la mina me excita
Lloro estalactitas, si veo el telenotícias
Ellos patrocinan las desgracias y me desquícia

Ver como la gente se acostumbra
A que a diario buitres caven la tumba
De niños que nunca Ssabrán lo que es un regalo
Enamorarse o la inocencia
Me dolía tanto la pesadilla a medida que crecía

Que me ahogué en alcohol, hoy se nadar
Y haré que a esos diablos les siente mal el caviar
Eh mierdas, respeta, a quien un grande
Como Kase O llamó poeta
Tu estética no puede con mis letras

Rugalcaba quer me matar

Rap real é rap sobre a realidade
Um 2pac foi morto pela CIA
O que ele iria querer nos matar
Quem não falamos de joias
Carros e crack
Eles podem procurar por bombas
Na minha casa você não vai encontrá-los

Eu sou a bomba
É por isso que eles obsessivamente me rastreiam
Parece agente, eu os matei liricamente
Você não nos protege, porque se você fez
Seria poderoso
No trem com condenação eterna

Piada de mau gosto, reclama o Estado
Injusta como ele não morre de gangrena
No ano Ana garrafa
Eles me fazem seu inimigo público
Eles querem silêncio, então eles vão para músicos

O certo odeia ter um coração porque é vermelho
O pirata da intereconomía rasgaria o outro olho
Eu escolho um jeito fácil
Eu pego o microfone e eles me param como se eu estivesse puxando o gatilho

Solitário solidário, lúcido até bêbado
Aznar me escutou e tem alopecia no bigode
Agora acontece que eu estava procurando por essa fama, claro
Eu mudo essa controvérsia por tudo que foi roubado

Eu tenho medo que o Rugalcaba queira me matar
Porque eu não posso morder como ele
Dê-lhe, dê-lhe
Gastar milhares de euros com uma brigada especial
Quem está me espionando
Como se eu tivesse amonal

Probation, URSS, eu sinto sua falta
Eles querem nos estuprar, e vamos chupá-los
Quantas crianças sabem
Que o capitalismo é desprezível
É por isso que Rugalcaba quer me matar

Eles não conseguiram me fazer lavagem cerebral que militares
Eles vão querer fazer genocídio, mas assassinato
As assembléias da TV são mais que doentias
Porque eles não dizem que a heroína para controlar foi feita

Que eles a colocaram em bairros cheios de pobreza
Pa ser morto sem se rebelar
Perdendo a luta de classes
Porra, minha avó pelas minhas orações
E depois votar nos pp

Eu vou cantar para a ação passar
Vamos lá, luta pacífica não está levantando as mãos
Por exemplo, entrar em bancos e agachar
Luta pacífica não está dando flores para quem bate em você

Menos gandis desclasaos e mais Marinaleda
A ditadura da estupidez persegue quem pensa
E ele lava o rabo com as mentiras da imprensa
Filhos da geração que acreditavam na transição

A menos que não dêem aulas, dirão que correram
Na frente dos cinzas, como muitos mais
Mas se tivessem, teríamos mais direitos e liberdade
Eu quero cantar para quem faz isso hoje
Na frente dos cinzas que agora usam trajes

Eu tenho medo que o Rugalcaba queira me matar
Porque eu não posso morder como ele
Dê-lhe, dê-lhe
Gastar milhares de euros com uma brigada especial
Quem está me espionando
Como se eu tivesse amonal

Probation, URSS, eu sinto sua falta
Eles querem nos estuprar, e vamos chupá-los
Quantas crianças sabem
Que o capitalismo é desprezível
É por isso que Rugalcaba quer me matar

Algum tempo atrás eles me mataram e quando eu ressuscitei
Ele teve a fúria de charles manson cego de lsd
Há tentações capitalistas difíceis de evitar
Luzes da cidade ofuscante, drogar-se no ar

Nostálgico como Johnny Cash, com Jack Daniels
De que vais? Somos todos alguém e ao mesmo tempo ninguém
A porra do papel está cheia de sangue invisível
Eu sou Hasel, outros uma farsa como o estado de Israel

Eu não suporto a violência gratuita
Mas imagine 25 horas por dia
Um genocídio na mina me excita
Eu choro estalactites, se eu vejo as telenotícias
Eles patrocinam os infortúnios e eu desqualifico

Veja como as pessoas se acostumaram
Que os abutres cavam a sepultura diariamente
De crianças que nunca saberão o que é um presente
Apaixone-se ou inocência
O pesadelo me machucou tanto quanto cresceu

Eu me afoguei em álcool, hoje eu nado
E eu vou fazer esses demônios se sentirem mal com caviar
Ei merda, respeito, quem é um grande
Como Kase O chamou poeta
Sua estética não pode com minhas cartas

tradução automática via Revisar tradução
Original Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Enviar

Posts relacionados

Ver mais no Blog