No meu canto, não escondo, vou dizendo de vereda
Sou brasa de labareda e ferrão de marimbondo
Desde que o mundo é redondo, não tem esquina nem canto
Amigos, eu lhes garanto, quando este mundo acabar
Com certeza, vai ficar a verdade do meu canto

Meu canto guarda o estilo das fontes de geografia
Quando o gaúcho nascia abarbarado e tranquilo
Meu canto é o canto do grilo dos tempos de antigamente
Que pode ser estridente, mas jamais ultrapassado
Porque o canto do passado é o bebedor do presente

Meu canto lembra o relincho e sanga de pedregulho
Meu canto lembra o mergulho da manada de capincho
Meu canto evoca o bochincho quando o candeeiro se apaga
Ali onde ninguém indaga, nem quem foi e nem quem é
Se é crioulo de Bagé, Santana ou São Luiz Gonzaga

Canto que evoca o rodeio e a ronda de uma tropeada
E a velha gaita acordada resmungando num floreio
Canto que lembra o rio cheio e a clarinada de um galo
Canto que adoça o embalo de uma xirua que implora
Que a gente não vá se embora e desencilhe o cavalo

Canto de lida e serviço cheirando a chão de mangueira
Sovado uma vida inteira, de certo, mesmo por isso
Conserva aquele feitiço que nós todos conhecemos
Herança que recebemos não se compra e não se vende
Por isso, o povo me entende e todos nos entendemos

Aos que condenam meu canto de cousas que já passaram
Dizem que muitos cantaram e chega de cantar tanto
Contra isso, eu me levanto sem procurar desafetos
Não se apagam com decretos heranças de todos nós
Não vou matar meus avós pra ficar de bem c'os netos
Não vou matar meus avós pra ficar de bem c'os netos
Não vou matar meus avós pra ficar de bem c'os netos

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Jayme Caetano Braun / Pedro Ortaça · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Giancarlo
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.