Minha cabocla a favela vai abaixo
Quanta saudade tu terás deste torrão
Da casinha pequenina de madeira
Que nos enche de carinho o coração

Que saudade ao nos lembrarmos das promessas
Que fizemos constantemente na capela
Pra que deus nunca deixe de olhar
Por nós da malandragem e pelo morro da favela

Vê agora a ingratidão da humanidade
O poder da flor sumítica, amarela
Que sem brilho vive pela cidade
Impondo o desabrigo ao nosso povo da favela

Minha cabocla a favela vai abaixo
Ajunta os troços vamo embora pro bangu
Buraco quente, adeus pra sempre meu buraco
Eu só te esqueço no buraco do cajú

Isso deve ser despeito dessa gente
Por que o samba não se passa para ela
Porque lá o luar é diferente
Não é como o luar que se vê desta favela

No estácio, querosene ou no salgueiro
Meu mulato não te espero na janela
Vou morar na cidade nova
Pra voltar meu coração para o morro da favela

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir