Se de toda alma que nasce brotasse
Uma centelha acesa de empatia
Se toda vez que o ódio aparecesse na tua face
O ódio se transformasse em justiça à quem precisa

Se a gente apagasse as divisões de classes
E só deixasse existir o interesse único
De emancipar-se com a dignidade
Que se merece

Por onde vou não há sentimento mensurável
Para além das camadas superficiais da carne
Não há certezas, não há certezas

Depois da imagem tem o ser
Longe da cegueira da fé
A verdade nem sempre é o que parece ser
Se, ao invés do ego

Toda prece evocasse a limpeza de qualquer linha
Que trace Fronteiras imaginárias nos mapas
Impedindo que liberdade por ali passe
O sonho, o sonho é uma ilha imaculada da poluição da realidade

O sonho

Quanto tempo tem daqui até o esquecimento do eu?
Quanto tempo tem?
Se dinheiro não corrompesse nem dividisse nosso mundo
E se a gente compreendesse
Que revolução começa de dentro pra fora

E então, poderíamos levantar por sobre religião e crenças

Por onde vou não há sentimento mensurável
Para além das camadas superficiais da carne
Não há certezas irrevogáveis
Não há certezas

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir