Quem É (part. Orquestra Metropolitana)

Rashid

exibições 1.068

Só quem é guerreiro no bagulho
Chega com respeito e nunca dorme no barulho
Só quem é, só quem é vai sentir

O negócio é o seguinte, vim do berço da crise
A tragédia no jornal de hoje pra noiz é reprise
Avise que Oz aqui, só o de Adebisi
Colecionando mazela, tio, favela não joga no nível easy
Em busca da melhora sim, sem zum, zum, zum
Se não cê evapora igual a nota de um
Agora contabilize o mal ao qual fui exposto
Vê que hoje seu veneno me serve de tira-gosto
Estampada no rosto, a luta ainda é contra quem comanda
Ouço eco de tiros em Ruanda
Se manda que a cota é passo firme nesse piso
E fazer meio mundo ter que engolir o riso
Noiz é problema e nosso sorriso incomoda porque
Somos minoria querendo vitória e o resto torcendo pra gente perder
Vim do povo e pelo povo quero o fim do jogo de xadrez
Hora dos peões tomarem o lugar dos reis

Só quem é guerreiro no bagulho
Chega com respeito e nunca dorme no barulho
Só quem é, só quem é vai sentir

Pra todas as quebrada, injeção de ânimo tal
Monstro do pântano, fuga de Guantanamo, now
Chame de vândalo, peso de fenômeno
Vejo os verme caindo, daqui só grito: Jerônimo!
Vamos deixar em pânico, mano, o jogo é tirânico
Tamo juntando os dano e o tumulto será vulcânico
O plano é plantar nos crânio um valor tipo o do urânio
Que brote e lote seu pote, sem dar pinote igual Jânio
Miramo nas glote, entramo nos bote a lot, insano
Visando o norte e os malote, sem trote, noiz te avisamo
A turba menos torpe, minha tropa top do ano
Se alastra entre a casta cês gostando ou não gostando
O memo Rashid de Hora de Acordar, evoluído, viu?
Benzetacil que é pra curar os seus ouvido
Rio que corre pra frente, ouviu? Pra frente, tio
E eu só me prendo nesse tipo de corrente (então vem com noiz)

Só quem é guerreiro no bagulho
Chega com respeito e nunca dorme no barulho
Só quem é, só quem é vai sentir

Fiz proeza na pobreza, bato no peito
Tirei poesia do leito de onde eles só tiram proveito
Provei, tru que não há caminho estreito demais
Quando se tá junto a vera nem a miséria desfaz
Pela autoestima dos nosso, não perde a linha
Já usei roupa doada, hoje eu memo faço as minha
Poema eflúvio, de norte a sul, viu?
Pra que a gente seja o sol após o dilúvio

Add a playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir