Avante!

Siba

exibições 12.893

Desata o nó das entranhas
Se estica a musculatura
O pulmão força e sustenta
O ar na goela se apura
A língua recebe a carga
Larga depois que tritura

Desfeita a trava dos dentes
A boca escancara e canta
O rosto inteiro estremece
Em vez de sorrir, se espanta
Como um canhão que ribomba
Com ferrugem na garganta

Da mesma forma que o bafo
Precede o ronco da fera
Ou como a noite é parida
Da gravidez da cratera
A voz se esparrama aonde
Que até então não coubera

Os microfones parecem
Longas serpentes mutantes
Que copulam com as máquinas
Que acendem uns botões brilhantes
Ejaculando as descargas
De som nos alto-falantes

A lingua destila a seiva
Dos dentes da cascavel
O que os ouvidos recolhem
São fragmentos do fel
Que espirrou das marretadas
Que destroçaram babel

Um assovio solta um pássaro
Que rasga o espaço e voa
Que parte mas não retorna
Que ilumina quando entoa
Deixa sombra na lembrança
Mas já morreu quando ecoa

Palavras são como almas
Que a luz ampara e anima
Bailando desordenadas
Em baixo, ao lado e em cima
Refletidas nos espelhos
Dos vãos da casa da rima

Imagens são balões presos
Por um cordão que se tora
Porque poesia é presença
De um vulto que não demora
O canto espalha no vento
E o tempo desfaz na hora

Desarrochada a mordaça
Escancarada a masmôrra
Estourado o cativeiro
Balança o pau da gangorra
O carrossel solta as travas
A dama presa está forra

Na descompressão do grito
De liberdade e revolta
Se abriram os portões pesados
Um touro bravo se solta
Quem parte berrando: avante!
Pode cair mas não voltar