exibições 688
Foto do artista Siba

Três Desenhos

Siba


Com diamantes de gelo
Em cada fio de cabelo
Das pedras nasce um novelo
Que aos poucos se movimenta

Sem dar adeus à nascente
Parte como uma serpente
Engole o que vê na frente
Engrossa, arrasta e aumenta

E o rio de água cinzenta
Cospe, empurra, rasga e roça
Tatuando a pele grossa
Do chão de carne barrenta

Com pontas finas de agulha
Uma pequena fagulha
Se enrosca, se desembrulha
E cobre o que lhe cobriu

Vira uma cobrinha arisca
Toda de brasa e faísca
Que estica o corpo e se arrisca
A ver o que nunca viu

E assim o fogo febril
Deixa atrás desenhos pretos
Enquanto os mil esqueletos
Que na passagem buliu

Com manchas avermelhadas
Nuvens esbarram pesadas
E anunciam trovoadas
Depois que o sol cai cansado

Um pássaro silencioso
Voa atrasado, ansioso
Pousa num galho espinhoso
Onde a voz tinha ficado

E o som de cada trinado
Cada assovio, cada açoite
Poda nos mantos da noite
Um castiçal estrelado

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir