Deus Fratresque Gallaecia

Suso Vaamonde


Deus Fratresque Gallaecia

Caste dos celtas esperta axiña
Ergue do fango da escravitú
Patria da ialma teus ceibes cantos
Enchan o mundo de norte a sul.

Das costas bravas, do finisterre
Hastra as douradas veiras do sil,
Ruxan os ventos de loita e morte
Contra os tiranos de meu país.

Dos meus pasados, bendita terra,
Nai adourada da miña nai.
Creva as cadeas que te asoballan
E cingue a croa da liberá.

Cantai galegos o himno xigante
Dos pobos ceibes dos pobos grandes
Cantai galegos a idea santa
Da independencia da nosa patria.

Caste dos celtas esperta axiña
Ergue do fango da escravitú
Patria da ialma teus ceibes cantos
Enchan o mundo de norte a sul.

Cantai galegos o himno xigante
Dos pobos ceibes dos pobos grandes
Cantai galegos a idea santa
Da independencia da nosa patria.

Cantai galegos a idea santa
Da independencia da nosa patria.

Deus Fratresque Gallaecia

Casta dos celtas desperta em seguida
Ergue do Fang da escravitú
Pátria da alma seus livres quanto
Preencha o mundo de norte a sul.

Da costa bravas, de Finisterre
Hastra as douradas veiras do Sil,
Rujam os ventos de luta e morte
Contra os tiranos de meu país.

De meus passados, bendita terra,
Mãe adourada da minha mãe.
Creva as correntes que o asoballan
E cinge a croa de libertá.

Cantai galegos o hino gigante
Dos povos livres dos povos grandes
Cantai galegos a ideia santa
Da independência da nossa pátria.

Casta dos celtas desperta em seguida
Ergue do Fang da escravitú
Pátria da alma seus livres quanto
Preencha o mundo de norte a sul.

Cantai galegos o hino gigante
Dos povos livres dos povos grandes
Cantai galegos a ideia santa
Da independência da nossa pátria.

Cantai galegos a ideia santa
Da independência da nossa pátria.

tradução automática via Revisar tradução
GLOriginal Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Enviar

Posts relacionados

Ver mais posts