Foto do artista G.R.C.S Vai-Vai

Samba-Enredo 2019 - Quilombo do Futuro

G.R.C.S Vai-Vai


Ô, Inaê, rainha do mar
Alodê, Iabá, Odoyá
Cuida de mim, mamãe, leva meu pranto
Em seus braços, o meu acalanto

Sorrir, sim, nós podemos sonhar
Pois temos um futuro pela frente
Punhos cerrados
A Saracura está presente

É que eu sou da pele preta
Quilombo do povo, eu sou Vai-Vai
Um privilégio que não é pra qualquer um
Protegido e abençoado por Ogum

É que eu sou da pele preta
Quilombo do povo, eu sou Vai-Vai
Um privilégio que não é pra qualquer um
Protegido e abençoado por Ogum

Axé, eu sou a negra alma do Bixiga
Herança que marcou a minha vida
Tem que respeitar minha raiz

O Orum vai desvendar toda a verdade
Pra resgatar a nossa identidade
Das linhas que a história apagou

África, a negra mãe da humanidade
Nas marcas de um passado tão presente
A luta que Mandela ensinou
É a força de lutar por nossa gente
Clamando a justiça de Xangô

Ô, Inaê, rainha do mar
Alodê, Iabá, Odoyá
Cuida de mim, mamãe, leva meu pranto
Em seus braços, o meu acalanto

Ô, Inaê, rainha do mar
Alodê, Iabá, Odoyá
Cuida de mim, mamãe, leva meu pranto
Em seus braços, o meu acalanto

Ecoa o grito forte na senzala
Nos olhos, brilha um novo amanhecer

Aruanda, ê, Aruanda
Trago a força de Palmares
Pra vencer demanda

Aruanda, ê, Aruanda
Trago a força de Palmares
Pra vencer demanda

A liberdade é minha por direito
Não vamos tolerar o preconceito
Somos todos irmãos
E a luz da razão vai nos guiar

Sorrir, sim, nós podemos sonhar
Pois temos um futuro pela frente
Punhos cerrados
A Saracura está presente

É que eu sou da pele preta
Quilombo do povo, eu sou Vai-Vai
Um privilégio que não é pra qualquer um
Protegido e abençoado por Ogum

É que eu sou da pele preta
Quilombo do povo, eu sou Vai-Vai
Um privilégio que não é pra qualquer um
Protegido e abençoado por Ogum

Axé, eu sou a negra alma do Bixiga
Herança que marcou a minha vida
Tem que respeitar minha raiz

O Orum vai desvendar toda a verdade
Pra resgatar a nossa identidade
Das linhas que a história apagou

África, a negra mãe da humanidade
Nas marcas de um passado tão presente
A luta que Mandela ensinou
É a força de lutar por nossa gente
Clamando a justiça de Xangô

Ô, Inaê, rainha do mar
Alodê, Iabá, Odoyá
Cuida de mim, mamãe, leva meu pranto
Em seus braços, o meu acalanto

Ô, Inaê, rainha do mar
Alodê, Iabá, Odoyá
Cuida de mim, mamãe, leva meu pranto
Em seus braços, o meu acalanto

Ecoa o grito forte na senzala
Nos olhos, brilha um novo amanhecer

Aruanda, ê, Aruanda
Trago a força de Palmares
Pra vencer demanda

Aruanda, ê, Aruanda
Trago a força de Palmares
Pra vencer demanda

A liberdade é minha por direito
Não vamos tolerar o preconceito
Somos todos irmãos
E a luz da razão vai nos guiar

Sorrir, sim, nós podemos sonhar
Pois temos um futuro pela frente
Punhos cerrados
A Saracura está presente

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: André Ricardo / Dema / Edegar Cirillo / Gui Cruz / KZ / Marcelo Casa Nossa / Rodolfo Minuetto / Rodrigo Minuetto · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por João
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.