Te chamo pra sentar aqui ao meu lado
Mas o quarto esfumaçado
não te deixa enxergar
Mais um drinque ardente
de um palmo e o
Meu corpo se esquenta
nesse frio de congelar

Já passou das dez, da meia-noite
Mas os peitos estufados
não se cansam de gritar
Está todo mundo agitado,
vômito pra todo o lado
E tempo livre pra gozar...

Não é um sonho
Nem pesadelo
É só mais uma noite inteira
Meu sangue ferve
E a cocaína
Afasta de nós a canseira

Meu santo é forte e me protege
Me afastando dos covardes,
da AIDS e das chacinas
E é tão bom que me enlouquece,
Me coloca n'outro mundo
atravessando minhas narinas...

E que se fodam
Esses caretas
Eu quero mais é aproveitar
Tenho quinze anos
E minha vida
Ainda é muito cedo pra parar

Eu te espero desnudo na sala
Você chega tropeçando,
será que vai agüentar?
Mas sua primeira vez foi linda
Pena que você não
se lembra de nada pra contar

Dá mais um gole
A vodka ainda dá pra matar
Só não vale ficar parado
Pára só quando você trincar
Seu corpo suado
Mas o tempo está tão gelado
Seus olhos vidrados
Mas você se anima só
pra me ouvir cantar!

Seu pai te liga no celular
Mas é claro que você ainda vai ficar
Seu pai tem grana, o filho-da-puta
Cinqüentão por dia pra você torrar

Ele pergunta "onde você 'tá?"
Mas é claro que você não vai contar!
Chega amanhã em casa, à tardinha
E sua mãe querida
nem sua falta vai notar...

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais no Blog