Confira a análise da música Monte Castelo, sucesso da Legião Urbana

Analisando letras · Por Érika Freire

28 de Julho de 2020, às 12:00

Fazendo uma análise da música Monte Castelo, da Legião Urbana, percebemos que a letra mistura elementos da bíblia com versos do poeta português Luís de Camões, tudo isso para falar com propriedade sobre o amor.

Legião Urbana
Créditos: Divulgação

Renato Russo compôs a canção em 1989 e ela se tornou um dos grandes sucessos da Legião Urbana.

Com versos que entrelaçam passagens de Coríntios 13 com o 11º Soneto de Camões, Monte Castelo tem um sonoridade que combina perfeitamente com os trechos.

Além desses, a música tem outros contextos que inspiraram Renato, como uma batalha no interior da Itália. Vem com a gente conferir a análise da música Monte Castelo!

Análise da música Monte Castelo, da Legião Urbana

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor eu nada seria

Neste primeiro verso de Monte Castelo, temos a passagem de Coríntios 13:1 levemente adaptada para a música. Renato quer dizer que não importa ter conhecimento e saber se comunicar em todas as línguas (ou seja, com várias pessoas diferentes) sem compreender o que é o amor.

Sem isso, o ser humano continua vazio.   

É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade
O amor é bom, não quer o mal
Não sente inveja ou se envaidece

No segundo verso, há mais elementos que foram inspirados na passagem de Coríntios: O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Mesmo tendo pego como base o trecho bíblico, a música da Legião nos permite compreender o amor além dos rótulos, como um sentimento genuíno despido de valores e preconceitos. É um amor em sua essência, em que não há espaços para sentimentos mesquinhos, como inveja e vaidade. 

O amor é o fogo que arde sem se ver
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer

Neste e nos próximos dois versos, chegamos ao poema de Camões que Renato musicou e transformou na canção. 

Os versos do poeta português estão praticamente intactos na música e tentam explicar o amor através da antítese, uma figura de linguagem caracterizada pelo uso palavras ou expressões que apresentam ideias contrárias

Luís de Camões
Luís de Camões

Expressões como contentamento descontente, aquilo que dói, mas não se sente, por exemplo, são conceitos de oposição, que se contradizem. Dessa mesma forma podemos compreender o amor: pautado pela falta de razão, ele é abstrato, e por isso dá margem para compreensões distintas e até mesmo contraditórias

Apesar disso, essas percepções controversas a respeito do que é o amor fazem todo o sentido no conjunto da canção, que somadas ao lirismo de Camões e ao rock tranquilo da Legião, combinam perfeitamente entre si. 

É um não querer mais que bem querer
É solitário andar por entre a gente
É um não contentar-se de contente
É cuidar que se ganha em se perder

Este verso é mais um retirado do poema de Luís de Camões. Apesar da complexidade do amor e da dificuldade de entrega, nós seres humanos estamos em busca constante por esse sentimento.

O verso segue falando sobre se sentir solitário ao andar por tantas pessoas e sobre estar contente e descontente ao mesmo tempo. Amar é ganhar e perder. 

Repare como não tem uma definição exata, definitiva; o amor é livre, assim como seus infinitos significados. Podemos compreender essa ideia como sendo a central da música. 

É um estar-se preso por vontade
É servir a quem vence, o vencedor
É um ter com quem nos mata a lealdade
Tão contrário a si é o mesmo amor

O último trecho retirado da poesia de Camões segue na tentativa de compreender o amor e suas nuances. 

Nem todo amor é saudável, é importante lembrar disso também. Fala-se em amor com o sentido de que ele supera tudo, mas não é verdade. Há relações que causam desconforto e as pessoas jamais deveriam se sentir induzidas a permanecer, a continuarem presas. 

Estou acordado e todos dormem
Todos dormem, todos dormem
Agora vejo em parte
Mas então veremos face a face

A canção retorna em Coríntios para fechar com a mensagem de que o personagem da canção está acordado, ou seja, ele sabe o que é o amor, enquanto todos os demais ainda dormem. 

Porém, um dia, quem sabe, todos poderão compreender melhor o amor; senti-lo em sua essência ao invés de tentar enquadrá-lo e compreendê-lo através da razão.  

É só o amor! É só o amor
Que conhece o que é verdade

A música termina com esse lindo verso, nos fazendo compreender que tudo é amor e que é através deste sentimento que iremos conhecer a verdade. 

Qual é a relação da canção com a batalha italiana? 

Vamos começar pelo nome da música: Monte Castelo é o nome de uma região da Itália localizada no norte do país. Lá ocorreu, durante a segunda Guerra Mundial, um confronto chamado Batalha de Monte Castelo.

Com o intuito de combater a invasão alemã, soldados brasileiros entraram no confronto, se aliando aos soldados estadunidenses. Foi uma ajuda decisiva para expulsar as tropas nazistas dessa região da Itália.

Batalha de Monte Castelo
Combatentes brasileiros na Batalha de Monte Castelo / Créditos: Divulgação

A relação entre o nome da canção e a batalha italiana está justamente aí: Renato deu esse nome à música para homenagear um tio que lutou em Monte Castelo

Quem relatou essa informação foi a mãe de Renato, Carminha Manfredini, que já chegou a afirmar também que Monte Castelo é a sua música preferida da Legião Urbana. 

Mergulhe nas melhores músicas da Legião Urbana 

Gostou de conhecer melhor a história da música Monte Castelo? Se a saudade da banda de Brasília só aumentou, confira uma seleção de grandes frases do Legião Urbana para relembrar a carreira desse grupo que é um clássico do rock nacional!

Frases Legião Urbana

Mais análises de músicas da Legião pra você!

Receba os melhores posts do blog em seu e-mail

Assine a newsletter gratuitamente e descubra mais sobre o mundo da música


Por favor, insira um e-mail válido.

Obrigado por assinar a nossa newsletter! 😊

Ops, rolou um erro na inscrição. Tente novamente mais tarde.