Conheça a análise da música Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores

Analisando letras · Por Érika Freire

30 de Julho de 2020, às 12:00

No ano de 1968, o Brasil viveu um dos momentos mais conturbados da história do país; desde que os militares tomaram o poder, em 1964, a opressão aos movimentos sociais e culturais foi se intensificando até se concretizar através do AI-5

Neste cenário de ditadura, Geraldo Vandré criou a música Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores, também conhecida como Caminhando

Geraldo Vandré
Geraldo Vandré / Créditos: Divulgação

A canção tinha a letra perfeita para os manifestantes da época, tanto que acabou sendo censurada e o cantor precisou sair do país, em exílio, para se proteger.  

Vamos analisar juntos esse hino de resistência? 

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores: uma análise da canção

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores concorreu no III Festival Internacional da Canção e conquistou o segundo lugar na premiação. 

A censura era tão pesada e a canção tão simbólica que isso rendeu consequências aos jurados, que tiveram seus carros quebrados e sofreram insultos por causa da escolha.

Ouça e confira a análise da letra:

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

O primeiro verso descreve nitidamente como ocorre uma manifestação pacífica: caminhando e cantando e seguindo a canção

Observamos que o compositor se refere a todos como iguais, pois estão dentro de um mesmo contexto e lutando por algo em comum: o direito à liberdade

Essa interpretação é reforçada a seguir, quando ele coloca as escolas, ruas, os campos, ou seja, todas as instituições e todos os cidadãos. 

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Neste verso, a música ganha ainda mais um tom de chamado, como se fosse uma convocação para que todos saiam às ruas, pois não se pode mais esperar. Ao longo da música, o refrão é muito repetido, mais do que o normal, para dar essa ideia.

Artistas da MPB em protesto contra a Ditadura Militar
Artistas da MPB em protesto contra a Ditadura Militar / Créditos: Divulgação

Era um momento que pedia união, por isso o compositor foi muito genial ao criar uma letra que parece conversar com um povo. 

As duas frases finais expressam uma certa urgência; o Brasil e o seu povo não podem mais esperar, é preciso agir agora para que algo mude de verdade.    

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão

Ao dizer indecisos cordões, Geraldo Vandré se refere às divergências de opiniões dos grupos que tentavam se articular para fazer alguma coisa. Alguns acreditavam que um posicionamento pacifista poderia resolver, porém, na visão do compositor, isso seria uma ilusão

Esse conceito fica mais claro no trecho acreditam nas flores vencendo o canhão, em que o compositor se refere ao movimento de contracultura hippie da década de 60, marcado pela imagem de uma mulher segurando uma flor branca diante das tropas americanas.

Créditos: Divulgação

A foto foi feita pelo fotógrafo Marc Ribound e repercutiu o mundo. 

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição
De morrer pela pátria
E viver sem razão

Este trecho mostra o olhar sensível do compositor em relação aos soldados armados. Muitos poderiam encará-los como inimigos, até mesmo pelo contexto de luta, violência, perseguição, mas Vandré nota que eles também estão perdidos. Estão apenas cumprindo as ordens e as táticas ensinadas no quartel

Ditadura militar no Brasil
Créditos: Divulgação

A música fecha o verso de forma poética ao mencionar que eles são ensinados a morrer pela prática e a viver sem razão. Ou seja, não conseguem se permitir qualquer reflexão sobre seus atos

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores queria passar, principalmente, uma mensagem de urgência. É como se o compositor estivesse clamando, gritando para que todos entendessem que não seria possível fazer revolução munidos de flores

Por isso a música foi tão marcada e perseguida durante o período ditatorial: ela fala nitidamente sobre se organizar, ela chama ao movimento e convoca a todos

Todos estão no mesmo barco e é por isso que precisam lutar juntos. Porém, deixando as flores no chão e seguindo em frente. 

Ditadura militar no Brasil
Créditos: Divulgação

Só assim seria possível aprender e ensinar algo novo, tomando consciência que a militância era o único caminho para se vencer. 

Saiba mais sobre Geraldo Vandré 

Geraldo Pedrosa de Araújo Dias nasceu em João Pessoa, em 1935, e assumiu o nome Geraldo Vandré logo no início da carreira. Além de cantar e compor, ele se formou em Direito e também costumava escrever poesias

Sua participação na época da Ditadura Militar foi de grande importância, principalmente quando compôs Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores, não apenas pelo conteúdo artístico, mas principalmente pela mensagem que trouxe de conscientização e de transformação social, que era urgente.

Geraldo Vandré
Créditos: Divulgação

Inclusive, há especulações de que a música, por conta da grande repercussão, teria acelerado o Ato Institucional Nº 5 (AI-5).

A música acabou censurada e o compositor foi perseguido e precisou se esconder por um tempo, até se exilar no Chile. Depois, mudou para a Europa e só voltou ao Brasil em 1973. 

Apesar de sua carreira ter sido pouco explorada comercialmente mesmo após sucesso de Caminhando, Vandré lançou 5 discos entre 1967 a 1973. 

Geraldo Vandré hoje

Hoje, aos 84 anos, Geraldo Vandré vive em São Paulo, casou-se com Bianca Beatriz e leva uma vida reclusa.

Havia informações controversas sobre se ele teria sofrido tortura na época da ditadura, mas durante uma entrevista ao Globonews, em 2010, ele afirmou que não sofreu violência. 

Geraldo Vandré
Créditos: Divulgação

Afastado da música, ele chegou a afirmar que essa escolha não se deu por conta da perseguição que sofreu, e sim por não sentir motivação para continuar compondo

Confira a análise da música Apesar de Você

Chico Buarque compôs Apesar de Você em 1970, na época da ditadura militar, e a canção também acabou sendo censurada. Conheça melhor a história e a análise da música Apesar de Você, importante composição de Chico. 

Análise da música Apesar de Você

Confira outras análises de músicas da Ditadura

Receba os melhores posts do blog em seu e-mail

Assine a newsletter gratuitamente e descubra mais sobre o mundo da música


Por favor, insira um e-mail válido.

Obrigado por assinar a nossa newsletter! 😊

Ops, rolou um erro na inscrição. Tente novamente mais tarde.