Fazer o que se ama é crédito eterno, vagabundo
Aonde quer que eu vá, aonde quer que eu vá...

Entre vermes e pessoas sobrevivo num covil
Meu rap bota em chamas a bandeira do brasil
Pra quem não me conhece, codinome bloodfill
A sua hipocrisia tem me tornado hostil

Virado em zumbi, perseguido a cada rima
Governo, anestesia muito pior que morfina
Os cara que conhece sabe que sigo minha sina
E amo essa parada muito mais que a própria vida
É bloodfill na rima e pok sombra nas batida
Desculpa irmãozinho se você não tem corrida
Meu clã tá na calçada com as garrafa de bebida
Danadas e fumaças, princesas e vadias

Os porcos embaçando, aquela coisa eu baixo
Teu filho fuma um também, escondido de tu
Atraque, tapa no boné, vai toma no teu cu
Me acertaram uma no saco num golpe de kung-fu

O monstro a ser batido e cheio de argumento
Rimando as lembranças que me trazem sofrimento
Meu flow vai renascendo na passagem desse tempo
É a chama resistente que combate o vento

Vem chegando uns cara quente, tão quente que queima
Sem grana pra fica derretendo bohemia
Tem coisa que não muda, como as suas blasfêmia
É tipo são silvestre sem bandeira do quênia
Eu sei que eu não cinco grammy como a amy
Não coma o de sempre e arrote caviar
É pra não me matar, fumo só da mary jane
Não fala da minha saga se adora me escutar
Eu rimo ideias quentes que saem desse sinísmo
Resgato as palavras das almas desse abismo
Eu cuspo na sua cara e piso no egoísmo
E percebo na hora seus truques de ilusionismo
Eu sou a criatura criada em laboratório
A família injustiçada na frente do fórum
O contra desse mestre que arranca seus olhos
O justiceiro anônimo, frio e inglório
Odeio falsos moralistas e adoro notorious
Contesto os yankees assim como valete
Suando a energia que sai dos meus poros
Duas coisas que não deixo: minha rima e meu cap
Fumando beck, ouvindo muita musica black
Então toma sozinho esse teu jack daniel's
Engatilhando a rima como click no clack
Uns acha que eu sou louco, outros me chama de gênio

A vontade de rimar que me libertou
Essa força da minha mente se manifestou
Um ameaçado, mano, que não se calou
Se liberte dessa jaula que você criou

A vontade de rimar que me libertou
Essa força da minha mente se manifestou
Um ameaçado, mano que não se calou
Se liberte dessa jaula que você criou

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais no Blog